A censura no metrô paulistano

O Metrô de São Paulo censurou dois grafites que haviam sido realizados no muro do canteiro de obras da futura estação Adolfo Pinheiros do metrô. Os grafites foram realizados por Beto Silva (PM Coxinha) e Bruno Perê (Vagões Negreiros) nos dias 11 e 12 de novembro em um projeto de parceria entre o Metrô e o SESC Santo Amaro.

PM Coxinha, grafite de Beto Silva no canteiro de obras da futura estação Adolfo Pinheiros do metrô.

O grafite de Beto Silva trazia um policial militar fardado, desenhado em forma de coxinha, correndo atrás da população com o cassetete na mão. Longe de ser uma provocação banal, Beto Silva denuncia, através de seu grafite, uma experiência bastante comum sofrida pelas populações que sobrevivem nos bairros da periferia de São Paulo que é a violência policial.

Bruno Perê, por sua vez, adiciona em seu grafite a frase “todo vagão tem um pouco de navio negreiro” em clara referência ao escritor baiano, Castro Alves, e também a uma canção do Rapa, “todo camburão tem um pouco de navio negreiro”. A crítica de Perê é bastante clara e aguda, referindo-se ao perfil de passageiros transportados diariamente pelas linhas de trens e metrô de São Paulo e às condições de seu transporte. Em uma só frase o grafite nos coloca a refletir sobre a exploração dos indivíduos que se deslocam dezenas de quilômetros diariamente através destes vagões, nas condições deploráveis características deste transporte público, apenas porque não lhes resta outra opção para sobreviver a não ser se deixarem explorar pelos novos feitores do século XXI: os capitalistas.

Todo vagão tem um pouco de navio negreiro, de Bruno Perê.

É certo que as reflexões levantadas pelos dois grafites incomodam não só os dirigentes do Metrô, mas todos os níveis de Governo deste país, pois nos leva a uma pergunta inevitável: o quanto avançamos na forma de tratarmos a população. De maneira mais específica, como é que o Governo trata a massa pobre e excluída. Os grafites não deixam dúvida de que elas continuam sendo mal tratadas tanto pela política pública e, como não poderia deixar de ser, por seu braço armado e repressor, a polícia. É por isso que a diretoria do Metrô não hesitou em censurar os grafites, em uma postura típica de nossas elites: melhor fingir que não existe o problema, do que resolvê-lo.

Segundo reportagem da Folha de S.Paulo, publicada em seu caderno Cotidiano no dia 10/12/2011, a diretoria do metrô vai voltar atrás em sua decisão e permitir que os grafites sejam refeitos. O presidente do metrô, Sérgio Avelleda, ao ser questionado sobre o assunto disse que a cobertura dos grafites havia sido uma iniciativa isolada de um dos funcionários. Tal afirmação é colocada em dúvida pela própria reportagem que informa: dias antes a assessoria de imprensa havia dito que a alteração havia sido um pedido da administração da companhia. Como sempre, a covardia segue sendo uma característica fundamental dos administradores, sejam eles públicos ou privados.

Anúncios

2 Comentários

Arquivado em Política

2 Respostas para “A censura no metrô paulistano

  1. Pingback: A volta do PM Coxinha | Hum Historiador

  2. Pingback: todo vagão tem um pouco de navio negreiro |

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s