COTAS SIM: Decisão unânime do STF

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu hoje, 26/04/2012, por unanimidade que o sistema de cotas raciais em universidades é constitucional. Carlos Ayres Britto foi o último dos ministros a votar, já antecipando que acompanhava o voto do relator Ricardo Lewandowski.

Antes da votação dos ministros, a tribuna foi aberta para que representantes de cada lado da questão argumentassem a favor ou contra a inconstitucionalidade do sistema de cotas, tal como proposto pela advogada do DEM, Roberta Fragoso Kaufmann. Sobre a defesa desta procuradora e o tamanho das suas sandices, creio já ter falado o suficiente nos meus posts anteriores. Apesar disso, não posso deixar de dar a palavra neste blog ao depoimento que mais me chamou a atenção daqueles que foram realizados na tribuna. Em seu depoimento, o dr. Hédio Silva Júnior responde a um dos pontos específicos levantados pela dra. Kaufmann quando defendia o indefensável, isto é, a inconstitucionalidade do sistema de cotas raciais.

O depoimento  do dr. Hédio Silva Júnior é de aproximadamente 5 minutos e está junto com outros depoimentos que foram realizados antes do dele. Para ir direto ao depoimento do dr. Hédio, avance o vídeo até 13:05.

Trecho de uma das passagens geniais do depoimento do dr. Hédio Silva Júnior:

“(…) Agora com o debate das ações afirmativas, a genética consegue olhar para um sujeito, como o cantor Neguinho da Beija-Flor, que nós chamamos entre nós, ativistas do movimento negro, de negro de último tom, porque mais preto impossível, a genética olha para o Neguinho da Beija-Flor e conclui, ministros, que o Neguinho da Beija-Flor é eurodescendente e quem sabe até poderia usar uma placa luminosa para que à noite, um mau policial, ao identificá-lo dissesse: “Não, não. Eu estou equivocado! É um eurodescendente. Eu não vou agredi-lo. Eu não vou dar tapa na cara dele. Eu não vou tratá-lo presumivelmente como bandido.” É isto que o debate das ações afirmativas quer nos propor aqui (…)”

Após a participação dos inscritos na tribuna, os ministros declararam seus votos, sendo o primeiro deles o relator Ricardo Lewandowski. Em um voto que levou aproximadamente duas horas, Lewandowski afirmou que o sistema de cotas em universidades cria um tratamento desigual com o objetivo de promover, no futuro, a igualdade. Ainda segundo o relator: “A política de ação afirmativa deve durar o tempo necessário para corrigir as distorções.”

Já o ministro Joaquim Barbosa, segundo reportagem da Folha, fez menção ao julgamento da Suprema Corte americana que validou o sistema de cotas para negros nos Estados Unidos, ao dizer que o principal argumento que levou àquela decisão foi o seguinte: “Os EUA eram e continuam a ser um país líder no mundo livre, mas seria insustentável manter-se como livre, mantendo uma situação interna como aquela”.

Concluo, usando as palavras do dr. Hédio Silva Júnior:

“Se uma escrava, em 1824, podia confiar no poder judiciário, nós que estamos hoje aqui, não tenho nenhuma dúvida do conteúdo de justiça que os senhores irão tomar nesta ação.”

E estávamos certos em confiar no STF, pois os ministros fizeram justiça e o resultado foram arrasadores 10 x 0,  jugando plenamente constitucional o sistema de cotas raciais, enxovalhando as pretensões do DEM, de Demóstenes Torres, sua advogada Roberta Kaufmann e o intelectual que eles tem no bolso, Demétrio Magnoli.

MEUS SINCEROS PARABÉNS AOS MINISTROS DO STF!!!

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Educação, Ensino, Política, Universidade

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s