O Gabinete Topográfico de São Paulo (1835-1849)

Revista da SBHCGostaria de compartilhar com os leitores do blog um artigo de minha autoria que acaba de ser publicado na edição mais receite da Revista Brasileira de História da Ciência (2013 – Volume 6 – No. 2).

Trata-se de um subcapítulo de minha dissertação de mestrado que traz a reconstituição da trajetória do Gabinete Topográfico de São Paulo, uma repartição de obras públicas da então província de São Paulo, criada por lei provincial de 1835, que continha anexo a ela uma escola destinada a formar engenheiros práticos para dirigirem as diversas obras públicas provinciais, em especial, a construção e manutenção das estradas visando comunicar o interior da província ao porto de Santos para escoamento da produção destinada a exportação.

Com a escola funcionando a partir de 1836, o Gabinete Topográfico acabou desempenhando um papel relevante na transição da engenharia militar para a engenharia civil em São Paulo, uma vez que boa parte dos alunos formados por esta instituição eram civis e, na segunda metade do século XIX, foram contratados pela administração provincial para coordenarem a construção e/ou manutenção de pontes e estradas como engenheiros civis. Além disso, cabe lembrar que a primeira escola superior de engenharia de São Paulo com currículo separado para a formação de engenheiros civis, foi a Escola Politécnica, inaugurada apenas no final do século, em 1894. De modo que, nas primeiras décadas dos Oitocentos, a formação de engenheiros, tanto em Portugal quanto no Brasil (a partir de 1822), ainda se dava dentro das instituições militares, como a academia fundada por D. João VI, em 1810, a Academia Militar do Rio de Janeiro.

O texto relaciona-se com o tema de pesquisa de minha dissertação na medida em que o Gabinete Topográfico, assim como a estatística (1838) e o mapa provincial (1841) que estudo, também teve sua criação determinada por uma lei promulgada em 1835, durante a primeira legislatura (1835-1837) que assumiu a Assembleia Legislativa da Província de São Paulo, que acabara de ser instituída pelo Ato Adicional de 1834. Além disso, um dos principais responsáveis pela organização do Gabinete Topográfico foi justamente o engenheiro militar luso-brasileiro Daniel Pedro Müller (1785-1841), principal personagem estudado em minha dissertação.

Meu objetivo com este artigo é, portanto, demonstrar que a criação do Gabinete Topográfico, assim como a estatística e o mapa, foi parte de uma política levada adiante pela elite paulista, em um contexto de relativa autonomia política e tributária conquistada através das reformas liberais que culminaram com o Ato Adicional, para ser um instrumento de governo da administração provincial visando a formação de quadros aptos ao trabalho nas obras públicas, especialmente na construção e conservação de estradas provinciais.

Antes de concluir esse post, gostaria de deixar meu agradecimento à minha orientadora, a historiadora Prof. Dra. Iris Kantor, que desde o começo acreditou em minha ideia e ajudou no desenvolvimento de minha dissertação.

Abaixo, deixo o resumo do artigo publicado na Revista e, para quem tiver interesse, também o link para o download do artigo completo em PDF.

RESUMO

Este artigo reconstitui a história do Gabinete Topográfico de São Paulo no âmbito da criação das Assembleias Legislativas Provinciais, em 1835. A partir da análise da legislação provincial, de ofícios de agentes das diferentes administrações e também dos discursos dos presidentes da província, pretende-se demonstrar como o Gabinete Topográfico, primeira escola a conceder cartas de engenheiros construtores de estrada na província, foi projetado pela elite política paulista para ser um instrumento de governo da administração provincial na medida em que seu principal objetivo era formar quadros aptos ao trabalho nas obras públicas, especialmente na construção e conservação de estradas provinciais.

PALAVRAS-CHAVE

Gabinete topográfico | Escolas de engenharia | Estradas | São Paulo | Brasil imperial

DOWNLOAD EM FORMATO PDF

O Gabinete Topográfico de São Paulo: a formação de engenheiros construtores de estradas como instrumento de governo da província de São Paulo (1835-1849)

PARA SABER MAIS

Para saber maiores detalhes à respeito da pesquisa de mestrado que venho conduzindo, consulte a página MESTRADO deste blog.

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Artigo, Pesquisa, Revistas, Universidade

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s