Arquivo do mês: julho 2015

ANPUH: Nota de repúdio

Repercutindo a Nota de Repúdio da Associação Nacional de História (ANPUH/BRASIL) contra a decisão da CAPES de cortar 75% do orçamento do PROAP para o ano de 2015 (conforme Ofícios Circulares n. 14/2015-DPD/CAPES, de 06 de julho de 2015 e n. 037/2015-DPB/Capes, de 09 de julho de 2015).

A Associação Nacional de História (ANPUH/BRASIL) e o Fórum Nacional de Coordenadores de Programas de Pós-Graduação em História vêm manifestar sua preocupação e repúdio contra a decisão da CAPES de cortar 75% do orçamento do PROAP para o ano de 2015 (conforme Ofícios Circulares n. 14/2015-DPD/CAPES, de 06 de julho de 2015 e n. 037/2015-DPB/Capes, de 09 de julho de 2015).

Os PPGs atualmente vivenciam enormes dificuldades orçamentárias e financeiras, já que nenhum recurso do PROAP foi liberado em 2015, afetando diretamente as atividades de pesquisas dos laboratórios e dos projetos de teses e dissertações, além da rotina administrativa e da composição de bancas de defesa. 

O fato agrava-se, consideravelmente, agora, com os anúncios de corte de 75% na verba do PROAP. Aliado a isso, soma-se a total falta de informação sobre o PROEX, fundo de apoio aos Programas notas 6 e 7.

Essas medidas inviabilizam, inclusive, a participação dos Coordenadores dos PPGHs no Seminário de Avaliação da área de História, convocado pela CAPES para os dias 10 e 11 de agosto, já que as despesas de deslocamento e hospedagem deveriam ser pagas com recursos do PROAP.

Ressaltamos que essas medidas podem colocar em risco o bom andamento da Pós-Graduação no país, desmotivando pesquisadores e prejudicando a produção de conhecimento, fundamental para o avanço da ciência e da teconologia brasileiras.

Diante deste quadro, a ANPUH e o Fórum de Coordenadores dos Programas de Pós-Graduação em História solicitam a imediata revogação das decisões da Diretoria da CAPES, visando a continuidade das atividades de Pós-Graduação.

São Paulo, 11 de julho de 2015.

2 Comentários

Arquivado em Educação, Política, Universidade

MEC: Capes garante 90% da verba para pós-graduaçao em 2015

publicado originalmente no Geledés e no Brasil 247 | 12 de julho de 2015

O Ministério da Educação anunciou, na noite deste sábado (11), que a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) garante que 90% da verba prevista para os programas de pós-graduação em 2015, o equivalente a R$ 1,65 bilhão, será mantida; o MEC diz ainda que nenhuma bolsa de estudo será interrompida; comunicado foi divulgado depois de universidades federais terem afirmado que o corte foi de 75%; em seu perfil no Facebook, o ministro da Educação, Renato Janine Ribeiro, afirmou que a Capes vai manter o pagamento de 100% das bolsas para estudantes de mestrado e doutorado e que, apesar de a situação não ser ideal, não se justifica pânico ou alarme

Do Brasil247

O Ministério da Educação anunciou, na noite deste sábado (11), que a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) garante que 90% da verba prevista para os programas de pós-graduação em 2015, o equivalente a R$ 1,65 bilhão, será mantida. Em nota, o MEC diz ainda que nenhuma bolsa de estudo será interrompida.

O comunicado foi divulgado depois que universidades federais terem criticado o anúncio da Capes de redução dos repasses previstos para as instituições. Em seu site, a Universidade Federal da Bahia (UFBA) afirmou ter sido informada que o valor esperado para seus programas de pós-graduação seria de R$ 4,2 milhões, mas que recebeu da Capes a notícia de que o valor foi reduzido para R$ 1 milhão, uma redução de cerca de 75%.

Na Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), um comunicado afirma que o Conselho Universitário da instituição (Consuni) aprovou uma moção em defesa aos programas de pós-graduação, onde afirma que o corte de verbas é “inaceitável”.

“O anúncio de cortes de 75% dos mencionados programas coloca em risco o trabalho de muitas gerações que se dedicaram à organização da pós-graduação e afeta de modo irreparável cada um dos programas de pós-graduação da UFRJ e das demais universidades públicas. O inaceitável corte torna-se mais grave quando inserido no quadro mais geral de cortes orçamentários das Federais e dos contingenciamentos de exercícios anteriores”, disse o Consuni.

Em seu perfil pessoal no Facebook, o ministro da Educação, Renato Janine Ribeiro, afirmou que a Capes vai manter o pagamento de 100% das bolsas para estudantes de mestrado e doutorado e que, apesar de a situação não ser ideal, não se justifica pânico ou alarme. “Os programas continuarão a poder atender novos alunos e a dar-lhes bolsas. Onde está ocorrendo uma redução é no custeio”, afirmou ele, lembrando que, além do repasse da Capes, cada universidade tem seu próprio orçamento.

Ele lembrou que a Capes mantém 90% dos recursos previstos e que podem haver acréscimos “quando a economia melhorar”. “E isso, num momento de dificuldades na economia e na arrecadação. Se a situação não é ideal, nem por isso se justifica pânico ou alarme”, disse Janine.

Leia a íntegra da nota do MEC:

“A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) assegura o repasse de 1,65 bilhões de reais para os seus programas de pós-graduação (Proex, Prosup, Reuni e Proap). O montante é equivalente a 90% do valor previsto para 2015. O Ministério da Educação e a Capes enfatizam o compromisso com a pós-graduação e a pesquisa científica. Ressaltamos ainda que nenhuma bolsa de estudo será interrompida.”

Leia a matéria completa em: MEC: Capes garante 90% da verba para pós-graduação em 2015 – Geledés http://www.geledes.org.br/mec-capes-garante-90-da-verba-para-pos-graduacao-em-2015/#ixzz3fiGdSjiA
Follow us: @geledes on Twitter | geledes on Facebook

Deixe um comentário

Arquivado em Educação, Política