Arquivo da tag: Boicote

ROGER Waters divulga carta aberta em que pede boicote a Israel

Roger WatersRoger Waters, ex-integrante da banda Pink Floyd, publica carta aberta em sua conta do Facebook para pedir a seus colegas do rock que se juntem a ele e outros milhares de artistas ao redor do mundo em um boicote cultural a Israel.

Embora seja datado de 19 de agosto, o pedido foi feito no começo do ano, mas Waters havia dado entrevistas dizendo estar reconsiderando a ideia. A carta que divulgou agora, havia sido reescrita em julho, mas só foi revelada agora.

Waters afirmou que sua decisão foi tomada depois que o virtuoso violinista britânico Nigel Kennedy chamou Israel de um “Estado de Apartheid”, durante um show no famoso Albert Hall, em Londres.

Conforme noticiado por O Globo, crítico ferrenho do governo israelense, Waters chegou a acusar o país de promover um motim. Membro do Tribunal Russell para a Palestina, organização que se diz motivada a levar justiça ao Oriente Médio, Waters defende que a ocupação e os assentamentos em territórios palestinos são obstáculos para a paz. Durante sua turnê do The Wall no Brasil, Waters afirmou que Israel faz terrorismo de Estado.

Para Waters, o cancelamento de um show de Stevie Wonder para a organização Amigos das Forças de Segurança de Israel pode ser encarado como um caso de boicote bem sucedido. Wonder desistiu de participação do evento de arrecadação de fundos após sofrer pressões.

ÍNTEGRA DA CARTA ABERTA DE ROGER WATERS DIVULGADA NO FACEBOOK (EM INGLÊS)

A note from Roger Waters – August 18, 2013
19 de agosto de 2013 às 06:35

18th August 2013 Warsaw

To My Colleagues in Rock and Roll

Nigel Kennedy the virtuoso British violinist and violist, at The Recent Promenade Concerts at The Albert Hall in London, mentioned that Israel is apartheid. Nothing unusual there you might think, then one Baroness Deech, (Nee Fraenkel) disputed the fact that Israel is an apartheid state and prevailed upon the BBC to censor Kennedy’s performance by removing his statement. Baroness Deech produced not one shred of evidence to support her claim and yet the BBC, non political, supposedly, acting solely on Baroness Deech’s say so, suddenly went all 1984 on us.  Well!! Time to stick my head above the parapet again, alongside my brother, Nigel Kennedy, where it belongs.  And by the way, Nigel, great respect man. So here follows a letter last re-drafted in July

25th July 2013

To My Colleagues in Rock and Roll.

In the wake of the tragic shooting to death of un-armed teenager Travon Martin and the acquittal of his killer Zimmerman, yesterday, Stevie Wonder spoke at a gig declaring that he will not perform in the State of Florida until that State repeals it’s “Stand your ground” Law. In effect he has declared a boycott on grounds of conscience. I applaud his position, and stand with him, it has brought back to me a statement I made in a letter I wrote last February 14th, to which I have referred but have never published.

The time has come, so here it is.

This letter has been simmering on the back burner of my conscience and consciousness for some time.

It is seven years since I joined BDS (Boycott Divestment and Sanctions) a non violent movement to oppose Israel’s occupation of the West Bank ,and ,violations of international law and Palestinian human rights. The aim of BDS is to bring international attention to these Israeli policies, and hopefully, to help bring them to an end. All the people of the region deserve better than this.

To cut to the chase, Israel has been found guilty, independently, by international human rights organizations, UN officials, and the International Court of Justice, , of serious breaches of international law.  These include, and I will name only two:

1.The Crime of Apartheid:

The systematic oppression of one ethnic group by another.

On 9 March 2012, for instance, the UN Committee on the Elimination of Racial Discrimination called (http://www2.ohchr.org/english/bodies/cerd/docs/CERD.C.ISR.CO.14-16.pdf) on Israel to end its racist policies and laws that contravene the prohibition against racial segregation and apartheid.

2.The Crime of Ethnic Cleansing:

The forcible removable of indigenous peoples from their rightful land in order to settle an occupying population. For example, in East Jerusalem non Jewish families are routinely physically evicted from their homes to make way for Jewish occupants.

There are others.

Given the inability or unwillingness of our governments, or the United Nations Security Council to put pressure on Israel to cease these violations, and make reparations to the victims, it falls to civil society and conscientious citizens of the world, , to dust off our consciences, shoulder our responsibilities, and act. I write to you now, my brothers and sisters in the family of Rock and Roll, to ask you to join with me, and thousands of other artists around the world, to declare a cultural boycott on Israel, to shed light on these problems and also to support all our brothers and sisters in Palestine and Israel who are struggling to end all forms of Israeli oppression and who wish to live in peace, justice, equality and freedom.

I am writing to you all now because of two recent events.

  1. Stevie Wonder.

Word came to me, the first week of last December that Stevie Wonder had been booked to headline at a gala dinner for the Friends of The Israeli Defence Force in LA on 6th December 2012. An event to raise money for the Israeli armed forces, as if the $4.3,000,000,000 that we the US tax payers give them each year were not enough? This came right after The Israeli defence Force  had concluded yet another war on Gaza, (Operation Pillar of Defence), according to human rights watch, committing  war crimes against the besieged 1.6 million Palestinians there.

Anyway, I wrote to Stevie to try to persuade him to cancel.  My letter ran along these lines, “Would you have felt OK performing at the Policeman’s Ball in Johannesburg the night after the Sharpeville massacre in 1960 or in Birmingham Alabama, to raise money for the Law Enforcement officers, who clubbed, tear gassed and water cannoned those children trying to integrate in 1963?”

Archbishop Desmond Tutu also wrote an impassioned plea to Stevie, and  3,000 others appended their names to a change .org petition. Stevie, to his great credit, cancelled!

2.    Earlier that week I delivered a speech at The United Nations. If you are interested you can find this speech on YouTube.

The interesting thing about these two stories is that there was NOT ONE mention of either story in the mainstream media in the United States.

The clear inference would be that the media in the USA is not interested in the predicament of the Palestinian people, or for that matter the predicament of the Israeli people,. We can only hope they may become interested as they eventually did in the politics of apartheid South Africa.

Back in the days of Apartheid South Africa at first it was a trickle of artists that refused to play there, a trickle, that exercised a cultural boycott, then it became a stream, then a river then a torrent and then a flood, ( Remember Steve van Zant, Bruce and all the others? “We will not Play in Sun City?”) Why? Because, like the UN and the International Courts of Justice they understood that Apartheid is wrong.

The sports community joined the battle, no one would go and play cricket or rugby in South Africa , and eventually the political community joined in as well. We all as a global, musical, sporting and political community raised our voices as one and the apartheid regime in South Africa fell.

Maybe we are at the tipping point now with Israel and Palestine. These are good people both and they deserve a just solution to their predicament. Each and every one of them deserves freedom, justice and equal rights. Just recently the ANC, the ruling party of South Africa, has endorsed BDS. We are nearly there. Please join me and all our brothers and sisters in global civil society in proclaiming our rejection of Apartheid in Israel and occupied Palestine, by pledging not to perform or exhibit in Israel or accept any award or funding from any institution linked to the government of Israel, until such time as Israel complies with international law and universal principles of human rights.

Roger Waters

Em breve o Hum Historiador traz uma tradução livre da Carta Aberta de Roger Waters.

Anúncios

3 Comentários

Arquivado em Arte, Música, Opinião, Política, Racismo

Cinco razões por que Stephen Hawking está certo ao boicotar Israel

Notícia divulgada pelo portal da Al Jazeera informa que o físico teórico e cosmólogo Stephen Hawking se recusou a participar de uma conferência que está sendo organizada em Israel atendendo a um boicote àquele país em função do tratamento que este vem dando aos palestinos.

Abaixo segue uma tradução livre que fiz da notícia que foi veiculada originalmente no portal em 09 de maio de 2013.

Hawking está de parabéns por ter se retirado de uma conferência israelense como forma de protesto ao tratamento que Israel concede aos palestinos.

por Ben White – 09/mai/2013

Cosmólogo britânico Stephen Hawking havia sido escalado a falar em uma conferência de alto nível em Junho organizada pelo presidente de Israel Shimon Peres [AP]

Conforme anunciado pelo Comitê Britânico para as Universidades da Palestina (BRICUP) e posteriormente pelo The GuardianReuters e outras, o renomado físico teórico e cosmólogo Professor Stephen Hawking decidiu atender o chamado palestino por boicote, e se retirar de uma conferência israelense organizada pelo presidente Shimon Peres em Junho. Após uma confusão inicial notícia foi confirmada – Hawking irá se manter afastado por razões políticas.Aqui estão cinco razões pelas quais o Professor Hawking está correto ao optar pelo boicote:5. Encobrimento do ApartheidO governo israelense e vários grupos de lobistas utilizam eventos como as “Conferências Presidenciais” para to encobrir os crimes cometidos por Israel no passado e no presente, uma tática algumas vezes referidas como “rebranding”. Como Ministro das Relações Exteriores informou oficialmente após o massacre de Gaza em 2009, este é o tipo de abordagem que significa enviar “romancistas e escritores famosos para o exterior, companhias de teatro, [e] exposições” com o objetivo de “mostrar a face bonita de Israel, de modo que nós não sejamos lembrados apenas no contexto da guerra”. “a marca Israel” é sobre criar uma imagem positiva para um país que é o alvo das campanhas de Direitos Humanos ao redor do planeta – como se inovações tecnológicas ou conferências de alto nível pudessem esconder a realidade da ocupação e limpeza étnica.4. Shimon Peres Apesar de sua reputação no ocidente como uma “pomba”,  a carreira de Peres até os dias de hoje inclui crimes de guerra no Líbano, apoio à punição coletiva de Palestinos em Gaza, e, em conversas privadas, incitação contra cidadãos não judeus. Qualquer um faria bem em evitar uma conferência organizada por tamanho hipócrita. Simplesmente não ser Ariel Sharon não basta; Peres deverá agendar uma viagem para Haia não atendendo dignatários estrangeiros e celebridades.

3. Boicote não é incompatível com ‘diálogo’ 

Na contramão da retórica de funcionários e simpatizantes do governo de Israel, boicote não é contrário ao diálogo. A decisão de Hawking, por exemplo, significará que as pessoas estão discutindo políticas israelenses e estratégias para acabar com a ocupação. Isso não é átipico – iniciativas BDS normalmente encorajam uma significativa troca de pontos de vista e perspectivas. No entanto, algumas pessoas abusam do conceito de diálogo para defender um status quo assimétrico, deixando intacto uma dinâmica de poder colonial na qual, segundo as palavras do poeta sul africano James Matthews, “o opressor permanece cauterizado com seus despojos/sem nenhum desejo de compartilhar igualdade/deixando o oprimido procurando o calor/no fogo frio do/Diálogo”. Boicote não tem nada a ver com ter, ou não ter, conversações – é sobre ser responsável , e se opor, violações básicas dos direitos das pessoas. Confrontar e resistir a realidade do apartheid israelense gera um diálogo que é completamente realizado no contexto da igualdade e descolonização.

2. Impunidade e responsabilidade 

O boicote é fundado firmemente em fatos bem documentados sobre as políticas de Israel. O Departamento de Estado dos Estados Unidos fala de “discriminação institucional” sofrida por cidadãos palestinos, enquanto o  Human Rights Watch diz que Israel mantém um “sistema de dois níveis” na Cisjordânia. Do controle “discriminatório” e  distribuição dos recursos hídricos (Anistia Internacional) até as “transferências forçadas da população nativa” (União Européia), não surprende que o Comitê das Nações Unidas para a Eliminação da Discriminação Racial relatou Israel por ter violado proibições contra “segregação racial e apartheid”.

Assentamentos ilegais são utilizados para colonizar a Cisjordânia, palestinos em Gaza são bloqueados e bombardeados, palestinos em Jerusalém Oriental tem suas casas demolidas – e ao mesmo tempo, é claro, os refugiados palestinos expulsos a apenas algumas milhas de suas propriedades ainda são impedidos de retornar a suas casas sob a alegação de que não são judeus. E percebam que o argumento “mas o que aconteceu em China/Myanmar/Síria etc” perde o ponto (assim como coloca Israel em uma companhia bastante interessante). Um boicote é uma tática, recomendável em alguns contextos, e não em outros. Não é sobre uma escala de injustiças ou de ilegalidade. Trata-se de uma estratégia cujo alvo são os abusos de direitos humanos e violações do direito internacional, solicitado pelo colonizado. O que nos traz a…

1. O chamado palestino por solidariedade 

Palestinos sofrendo sob o apartheid israelenses estão clamando por Boicote, Desinvestimento e Sanções (BDS) como uma estratégia na realização de seus direitos básicos, um fato que muitos sionistas optam por ignorar quando atacam as campanhas de boicote. O chamado da sociedade civil palestina por BDS foi lançado oficialmente em 9 de julho de 2005, um ano após a opinião do consultor da Corte Internacional de Justiça sobre a ilegalidade do Muro de Separação de Israel. O clamor dos signatários do BDS partiram de representantes dos palestinos na Cisjordânia e Faixa de Gaza, cidadãos palestinos de Israel, e refugiados palestinos. Desde então, números crescentes de pessoas da academia, mundo da arte, sindicatos e comunidades religiosas atenderam o chamado de BDS com iniciativas que colocaram o foco firmemente nas violações rotineiras de Israel do direito internacional e terminando com a cumplicidade nesses crimes. O professor Hawking está de parabéns em seguir os conselhos de acadêmicos palestinos, e atender seu pedido de solidariedade internacional em um luta de décadas por liberdade e justiça.

Ben White é um jornalista freelance, escritor e ativista, especializado na questão Palestina/Israel. Ele é graduado pela Universidade de Cambridge.

Deixe um comentário

Arquivado em Cultura, Política, Universidade