Arquivo da tag: Gaza

América Latina: O último refúgio da humanidade

Norman G. Finkelstein

Norman Gary Finkelstein, durante uma palestra em 2005

Você pode discordar do título desse post, mas essa é a opinião do cientista político Norman Gary Finkelstein, que nessa última quinta-feira (30) postou um texto em sua página pessoal com título semelhante a este, louvando a atitude de cinco governos latino americanos por chamarem seus embaixadores de Tel Aviv após a campanha ofensiva de Israel na Faixa de Gaza.

Norman Gary Finkelstein (1958- ), cientista político estadunidense, graduou-se pela Universidade do Estado de Nova York, estudou na École Pratique de Hautes Estudes, em Paris, e doutorou-se em Ciências Políticas pela Universidade de Princeton. Filho de judeus sobreviventes do holocausto, suas ideias renderam-lhe uma deportação do Estado de Israel e uma proibição do governo daquele país de pisar em solo israelense por 10 anos.

Finkelstein ficou conhecido por seus textos sobre os conflitos israelo-palestinos e pela polêmica suscitada por seu livro A indústria do Holocausto, no qual faz duras críticas a organizações e personalidades judias que teriam instrumentalizado a Shoah com objetivos políticos, segundo o autor.

O Hum Historiador traz uma tradução livre do post publicado nessa última quinta (30) no blog do cientista político, Norman Gary Finkelstein, visando repercuti-lo entre seus leitores.

EM UM MUNDO DE ESTADOS-GANGSTERS, TODO LOUVOR À AMÉRICA LATINA, O ÚLTIMO REFÚGIO DA HUMANIDADE
por Norman Finkelstein | publicado originalmente em seu blog aos 30.jul.2014

Cinco países da América Latina retiram embaixadores de Israel

Foto de ataque israelense na Faixa de Gaza publicada no blog de Norman G. Finkelstein

A decisão de países latino americanos de chamar seus embaixadores em Tel Aviv é um “desapontamento profundo”, disse Israel.

El Salvador, na última quarta (29), tornou-se o quinto país latino americano a retirar seu embaixador de Israel em protesto à ofensiva militar em Gaza.

Brasil, Chile, Equador e Peru já tinham chamado seus embaixadores.

O porta-voz do ministério das relações exteriores de Israel, Yigal Palmor, disse que tal movimento encoraja o Hamas; “essa decisão encoraja o Hamas que foi reconhecido por vários países como uma organização terrorista. Os países que estão resistindo contra o terror devem agir responsavelmente e não devem recompensá-los. Enquanto o Hamas tem sido considerado o responsável por dificultar o fim do cessar-fogo, espera-se que El Salvador, Peru e Chile apoiem a atitude internacional pela paz e desmilitarização de Gaza”, disse o porta-voz do governo israelense.

Israel havia criticado o Brasil previamente sobre sua decisão de chamar o embaixador em protesto à ofensiva militar de Israel em Gaza.

Brasil foi um dos 29 países no Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas que votaram na última quarta-feira (29) pela investigação de Israel por sua ofensiva militar em Gaza.

Durante uma visita de Estado do presidente chinês Xi Jinping em 17 de julho, a presidenta brasileira Dilma Rousseff disse que seu país estava “profundamente preocupado pelos eventos dramáticos” em Gaza.

O número de mortos palestinos ocorrido após um ataque devastador de Israel na Faixa de Gaza elevou para 1283, de acordo com o porta-voz do Ministério da Saúde de Gaza.

Segundo esse porta-voz, pelo menos 7120 palestinos também saíram feridos nos contínuos ataques perpetrados por Israel desde 7 de julho.

Anúncios

2 Comentários

Arquivado em Blogs, Guerras, Opinião, Política

Reflexões sobre a matança e a destruição na Palestina promovida pelo Estado de Israel

Excelentes as reflexões propostas pelos textos do prof. Vladimir Safatle (Direito de Matar), e por Aldo Cordeiro Sauda e Márcia Camargos na seção Tendências/Debates (Bienal da Destruição), ambos publicados na Folha dessa última terça (22). Especialmente porque rebatem ideias propostas por textos de colunistas e opinadores reacionários dessa mesma Folha, como João Pereira Coutinho (David e Golias), Luiz Felipe Pondé (Marketing Geopolítico) e Flávio Flores da Cunha Bierrenbach (Palestina), que infestam as redes sociais fornecendo respostas prontas à boa parte de quem jamais dedicou uma hora sequer para se informar sobre o assunto e, ainda assim, por viverem em um mundo que demanda opiniões sobre tudo, ainda que superficiais, desejam expressar seus achismos fiando-se em fragmentos de Pondés, Coutinhos e Bierrenbachs, podres de nascença.

Os textos que serão repercutidos aqui, portanto, discutem pontos levantados por esses “pensadores conservadores” tais como: a pretensa cultura do martírio, o uso dos palestinos como escudos humanos, a operação de naturalização da morte dos palestinos, a realidade de milhões de palestinos que vivem como um povo apátrida e sem direitos, o extermínio simbólico dos palestinos e, desde 2006, o efetivo.

Por posicionar-se de modo análogo a Safatle, Sauda e Camargos, o Hum Historiador repercute a íntegra dos textos abaixo no intuito de promover uma discussão sobre.

DIREITO DE MATAR
por Vladimir Safatle para a Folha de S. Paulo | 22.jul.2014

Jake Tapper é jornalista da CNN norte-americana.

Ao entrevistar um representante da Autoridade Palestina, não lhe veio ideia melhor à cabeça do que acusar os palestinos que morrem atualmente em Gaza de serem possuídos por uma “cultura do martírio”, expressa por eles pretensamente se deixarem matar enquanto suas cidades são devastadas [refuta também ideias divulgadas no texto de Luiz Felipe Pondé].

Sim, Jake, você deve ter razão, palestinos não passam de fanáticos irracionais, cuja única razão de existência é obrigar perversamente os ocidentais a saciarem seu estranho desejo de martírio.

Enquanto Jake desfilava seu racismo sem complexos, o governo francês impedia sua população de se manifestar contra a mais recente ação de punição coletiva do governo israelense contra os palestinos. O argumento é que a última manifestação teve confrontes em frente a uma sinagoga envolvendo manifestantes e uma autonomeada Frente de Defesa Judaica (FDJ).

Difícil, neste caso, não lembrar de outra proibição, ocorrida na Inglaterra anos atrás.

Na ocasião, a BBC resolveu produzir uma campanha pedindo donativos para as vítimas de Gaza. No entanto, a mobilização foi vetada. Certamente porque, para a cúpula da emissora, ter compaixão por palestinos já é ser cúmplice do terrorismo internacional. Manifestar-se contra ações militares em um território transformado, segundo o próprio primeiro-ministro britânico, David Cameron, em “campo de concentração”, deve ser algo da mesma natureza.

Tudo isto demonstra como os palestinos são o verdadeiro sintoma da hipocrisia internacional. Já temos mais de 400 mortos, quase um quarto de crianças, e preferimos não apelar ao “direito de ingerência humanitária”, que permite ignorar soberanias nacionais em caso de catástrofes humanitárias ou lutar por campanhas de boicotes econômicos contra o governo israelense.

Talvez porque os palestinos já foram há muito retirados de sua humanidade. Para uma certa opinião internacional, eles morrerem é algo tão natural quanto as marés. Outros choram lágrimas de silicone ao afirmar que os dois lados estão envoltos em uma “espiral de violência”.

No entanto, não há simetria alguma nessa situação.

Os palestinos tem seu território invadido há décadas em flagrante violação de direito internacional. Hoje sua condição é de milhões de apátridas, desprovidos de qualquer direitos, segregados, vivendo em bantustãs sem cidadania ou sequer um reles passaporte.

Mas, afinal, como dizem alguns que escreveram nesta Folha, os palestinos sequer seriam um povo [referência a texto do juiz aposentado Flávio Flores da Cunha Bierrenbach]. Ou seja, eles já foram exterminados simbolicamente. Só falta exterminá-los efetivamente.


VLADIMIR SAFATLE é professor livre-docente do departamento de filosofia da USP.

BIENAL DA DESTRUIÇÃO
por Aldo Cordeiro Sauda e Márcia Camargos para a Folha de S. Paulo | 22.jul.2014

A punição à desobediência eleitoral palestina não se limita à sufocar Gaza. A cada dois anos, Israel bombardeia e invade o máximo possível.

Jogar bola na praia é algo que todos já fizemos. Brincadeira saudável, atrai qualquer criança. Mas não será assim que as peladas à beira- -mar serão lembradas pela família Bakr. Foi em meio a uma delas que os irmãos Zakaria e Ahed, além de dois primos chamados Mohamed, morreram após um bombardeio de navios de guerra israelenses à costa da faixa de Gaza na última quarta-feira (16). Os meninos tinham entre 9 e 11 anos. Somam-se aos mais de 500 mortos da atual agressão orquestrada por Israel.

A verdade é que a vida em Gaza nunca foi fácil, mas desde que os palestinos da região elegeram o Hamas, em 2006, o cotidiano tornou-se impossível. Assistimos à terceira guerra de Tel Aviv contra a faixa de Gaza, em meio a um cerco por ar, terra e mar que sufoca os palestinos há sete anos.

Muito se fala sobre as ditaduras do Oriente Médio. Porém, quando experiências democráticas produzem governos antipáticos a Israel, passa a prevalecer a tese da “guerra ao terrorismo”, que justifica qualquer ação, até mesmo uma campanha consciente de destruição por completo de uma sociedade.

Segundo a Anistia Internacional, o bloqueio não somente impede a maioria da população de Gaza de sair ou exportar mercadorias, como permite apenas a importação bastante restrita de itens básicos. Não por acaso, materiais como cimento, madeira, canos, vidro, barras de aço, alumínio e peças de reposição são extremamente raros ou indisponíveis. Mas a par de insumos para a construção civil, a lista de proibições israelenses barra produtos tão perigosos quanto grão-de-bico, chá, macarrão, geleia, biscoitos, molho de tomate, quebra-cabeça, lápis e canetinhas de colorir.

A punição à desobediência eleitoral palestina não se limita à política de sufocar Gaza, que se tornou um campo de concentração a céu aberto. De dois em dois anos, Israel bombardeia, invade e destrói o máximo possível da faixa. De acordo com o relatório Goldstone, produzido a pedido da Assembleia Geral da ONU, e de documentos de organizações internacionais de direitos humanos como a Human Rights Watch, destruir Gaza parece ter-se convertido em um dos objetivos preferenciais de Tel Aviv.

Ao longo da incursão israelense de 2009, além de mais de 1.400 mortos e de dezenas de milhares de feridos, Israel destruiu ou danificou 58 mil casas, 280 escolas e creches (18 das quais foram inteiramente pulverizadas junto de seis prédios universitários), 1.500 fábricas e oficinas, as principais instalações de água e esgoto, 80% dos grãos armazenados e quase um quinto da terra cultivável. Os bombardeios israelenses resultaram em 600 mil toneladas de entulho, US$ 900 milhões em destruição e aproximadamente US$ 3,5 bilhões de prejuízo aos palestinos, segundo a Unctad, braço da Organização das Nações Unidas para o desenvolvimento [contra os argumentos de João Pereira Coutinho].

Já em Israel, cuja destruição física em seu território custou em torno de US$ 15 milhões, segundo documento divulgado pelo Estado de Israel, os foguetes do Hamas danificaram “diversas casas de civis e outras estruturas, uma foi quase inteiramente destruída”, conforme a Anistia Internacional.

Ainda segundo a entidade, “ao contrário das afirmações dos representantes israelenses sobre a utilização de escudos humanos’, […]não foram encontradas provas de que o Hamas ou que outros grupos armados locais utilizaram-se de civis para proteger objetivos militares dos ataques”.

O problema, explica o relatório, é que neste território de 360 km2, com 1,8 milhões de habitantes, caracterizando uma das mais densas concentrações humanas do planeta, as instalações do Hamas e os guerrilheiros palestinos misturam-se naturalmente aos civis [contra a pobre argumentação de Luiz Felipe Pondé em seu texto sobre o marketing geopolítico].

A nova aventura israelense em Gaza certamente seguirá seus padrões de destruição bienal, a despeito das críticas que ecoam de todo o mundo. Resta saber se a repetida estratégia vai ter sucesso em minar a independência e a autodeterminação palestinas.


ALDO CORDEIRO SAUDA é cientista político e MÁRCIA CAMARGOS, jornalista e escritora, tem pós-doutorado pela USP.

4 Comentários

Arquivado em Guerras, Jornais, Política, Preconceito, Racismo

Cinco razões por que Stephen Hawking está certo ao boicotar Israel

Notícia divulgada pelo portal da Al Jazeera informa que o físico teórico e cosmólogo Stephen Hawking se recusou a participar de uma conferência que está sendo organizada em Israel atendendo a um boicote àquele país em função do tratamento que este vem dando aos palestinos.

Abaixo segue uma tradução livre que fiz da notícia que foi veiculada originalmente no portal em 09 de maio de 2013.

Hawking está de parabéns por ter se retirado de uma conferência israelense como forma de protesto ao tratamento que Israel concede aos palestinos.

por Ben White – 09/mai/2013

Cosmólogo britânico Stephen Hawking havia sido escalado a falar em uma conferência de alto nível em Junho organizada pelo presidente de Israel Shimon Peres [AP]

Conforme anunciado pelo Comitê Britânico para as Universidades da Palestina (BRICUP) e posteriormente pelo The GuardianReuters e outras, o renomado físico teórico e cosmólogo Professor Stephen Hawking decidiu atender o chamado palestino por boicote, e se retirar de uma conferência israelense organizada pelo presidente Shimon Peres em Junho. Após uma confusão inicial notícia foi confirmada – Hawking irá se manter afastado por razões políticas.Aqui estão cinco razões pelas quais o Professor Hawking está correto ao optar pelo boicote:5. Encobrimento do ApartheidO governo israelense e vários grupos de lobistas utilizam eventos como as “Conferências Presidenciais” para to encobrir os crimes cometidos por Israel no passado e no presente, uma tática algumas vezes referidas como “rebranding”. Como Ministro das Relações Exteriores informou oficialmente após o massacre de Gaza em 2009, este é o tipo de abordagem que significa enviar “romancistas e escritores famosos para o exterior, companhias de teatro, [e] exposições” com o objetivo de “mostrar a face bonita de Israel, de modo que nós não sejamos lembrados apenas no contexto da guerra”. “a marca Israel” é sobre criar uma imagem positiva para um país que é o alvo das campanhas de Direitos Humanos ao redor do planeta – como se inovações tecnológicas ou conferências de alto nível pudessem esconder a realidade da ocupação e limpeza étnica.4. Shimon Peres Apesar de sua reputação no ocidente como uma “pomba”,  a carreira de Peres até os dias de hoje inclui crimes de guerra no Líbano, apoio à punição coletiva de Palestinos em Gaza, e, em conversas privadas, incitação contra cidadãos não judeus. Qualquer um faria bem em evitar uma conferência organizada por tamanho hipócrita. Simplesmente não ser Ariel Sharon não basta; Peres deverá agendar uma viagem para Haia não atendendo dignatários estrangeiros e celebridades.

3. Boicote não é incompatível com ‘diálogo’ 

Na contramão da retórica de funcionários e simpatizantes do governo de Israel, boicote não é contrário ao diálogo. A decisão de Hawking, por exemplo, significará que as pessoas estão discutindo políticas israelenses e estratégias para acabar com a ocupação. Isso não é átipico – iniciativas BDS normalmente encorajam uma significativa troca de pontos de vista e perspectivas. No entanto, algumas pessoas abusam do conceito de diálogo para defender um status quo assimétrico, deixando intacto uma dinâmica de poder colonial na qual, segundo as palavras do poeta sul africano James Matthews, “o opressor permanece cauterizado com seus despojos/sem nenhum desejo de compartilhar igualdade/deixando o oprimido procurando o calor/no fogo frio do/Diálogo”. Boicote não tem nada a ver com ter, ou não ter, conversações – é sobre ser responsável , e se opor, violações básicas dos direitos das pessoas. Confrontar e resistir a realidade do apartheid israelense gera um diálogo que é completamente realizado no contexto da igualdade e descolonização.

2. Impunidade e responsabilidade 

O boicote é fundado firmemente em fatos bem documentados sobre as políticas de Israel. O Departamento de Estado dos Estados Unidos fala de “discriminação institucional” sofrida por cidadãos palestinos, enquanto o  Human Rights Watch diz que Israel mantém um “sistema de dois níveis” na Cisjordânia. Do controle “discriminatório” e  distribuição dos recursos hídricos (Anistia Internacional) até as “transferências forçadas da população nativa” (União Européia), não surprende que o Comitê das Nações Unidas para a Eliminação da Discriminação Racial relatou Israel por ter violado proibições contra “segregação racial e apartheid”.

Assentamentos ilegais são utilizados para colonizar a Cisjordânia, palestinos em Gaza são bloqueados e bombardeados, palestinos em Jerusalém Oriental tem suas casas demolidas – e ao mesmo tempo, é claro, os refugiados palestinos expulsos a apenas algumas milhas de suas propriedades ainda são impedidos de retornar a suas casas sob a alegação de que não são judeus. E percebam que o argumento “mas o que aconteceu em China/Myanmar/Síria etc” perde o ponto (assim como coloca Israel em uma companhia bastante interessante). Um boicote é uma tática, recomendável em alguns contextos, e não em outros. Não é sobre uma escala de injustiças ou de ilegalidade. Trata-se de uma estratégia cujo alvo são os abusos de direitos humanos e violações do direito internacional, solicitado pelo colonizado. O que nos traz a…

1. O chamado palestino por solidariedade 

Palestinos sofrendo sob o apartheid israelenses estão clamando por Boicote, Desinvestimento e Sanções (BDS) como uma estratégia na realização de seus direitos básicos, um fato que muitos sionistas optam por ignorar quando atacam as campanhas de boicote. O chamado da sociedade civil palestina por BDS foi lançado oficialmente em 9 de julho de 2005, um ano após a opinião do consultor da Corte Internacional de Justiça sobre a ilegalidade do Muro de Separação de Israel. O clamor dos signatários do BDS partiram de representantes dos palestinos na Cisjordânia e Faixa de Gaza, cidadãos palestinos de Israel, e refugiados palestinos. Desde então, números crescentes de pessoas da academia, mundo da arte, sindicatos e comunidades religiosas atenderam o chamado de BDS com iniciativas que colocaram o foco firmemente nas violações rotineiras de Israel do direito internacional e terminando com a cumplicidade nesses crimes. O professor Hawking está de parabéns em seguir os conselhos de acadêmicos palestinos, e atender seu pedido de solidariedade internacional em um luta de décadas por liberdade e justiça.

Ben White é um jornalista freelance, escritor e ativista, especializado na questão Palestina/Israel. Ele é graduado pela Universidade de Cambridge.

Deixe um comentário

Arquivado em Cultura, Política, Universidade

Noam Chomsky e colegas denunciam cobertura da mídia sobre Gaza

do Vermelho – publicado também em Viomundo

Noam Chomsky

Em texto manifesto, linguistas denunciam a manipulação do noticiário pela grande imprensa para camuflar o massacre do povo palestino, apelam a jornalistas para que não sirvam de joguetes e para que as pessoas se informem pela mídia independente. Entre os signatários, Noam Chomsky. Confira a íntegra.

Enquanto países na Europa e América do Norte relembravam as baixas militares das guerras presentes e passadas, em 11 de Novembro, Israel estava alvejando civis. Em 12 de novembro, leitores que acordavam para uma nova semana tiveram já no café da manhã o coração dilacerado pelos incontáveis relatos das baixas militares passadas e presentes.

Não havia, porém, nenhuma ou quase nenhuma menção ao fato de que a maioria das baixas das guerras modernas de hoje são civis. Era também difícil alguma menção, nessa manhã de 12 de novembro, aos ataques militares à Gaza, que continuaram pelo final de semana. Um exame superficial comprova isso na CBC do Canada, Globe and mail, na Gazette de Montreal e na Toronto Star. A mesma coisa no New York Times e na BBC.

De acordo com o relato do Centro Palestino para os Direitos Humanos (PCHR, pela sigla em inglês) de domingo, 11 de Novembro, cinco palestinos, entre eles três crianças, foram assassinados na Faixa de Gaza, nas 72 horas anteriores, além de dois seguranças. Quatro das mortes resultaram das granadas de artilharia disparadas pelos militares israelenses contra jovens que jogavam futebol. Além disso, 52 civis foram feridos, seis dos quais eram mulheres e 12 crianças. (Desde que este texto começou a ser escrito, o número de mortos palestinos subiu, e continua a aumentar.)

Artigos que relatam os assassinatos destacam esmagadoramente a morte de seguranças palestinos. Por exemplo, um artigo da Associated Press publicado no CBC em 13 de novembro, intitulado “Israel estuda retomada dos assassinatos de militantes de Gaza”, não menciona absolutamente nada de civis mortos e feridos. Ele retrata as mortes como alvos “assassinados”. O fato de que as mortes têm sido, na imensa maioria, de civis, mostra que Israel não está tão engajado em “alvos” quanto em assassinatos “coletivos”. Assim, mais uma vez, comete o crime de punição coletiva.

Outra notícia de AP na CBC de 12 de novembro diz que os foguetes de Gaza aumentam a pressão sobre o governo de Israel. Traz a foto de uma mulher israelense olhando um buraco no teto de sua sala. Novamente, não há imagens, nem menção às numerosas vítimas sangrando ou cadáveres em Gaza. Na mesma linha, a manchete da BBC diz que Israel é atingido por rajadas de foguetes vindos de Gaza. A mesma tendência pode ser vista nos grandes jornais da Europa.

A maioria esmagadora das notícias enfatizam que os foguetes foram lançados de Gaza, nenhum dos quais causaram vítimas humanas. O que não está em foco são os bombardeios sobre Gaza, que resultaram em numerosas vítimas graves e fatais. Não é preciso ser um especialista em ciências da mídia para entender que estamos, na melhor das hipóteses, diante de relatos distorcidos e de má qualidade e, na pior, de manipulação propositadamente desonesta.

Além disso, os artigos que se referem à vítimas palestinas em Gaza relatam consistentemente que as operações israelenses se dão em resposta ao lançamento de foguetes a partir de Gaza e à lesão de soldados israelenses. No entanto, a cronologia dos eventos do recente surto começou em 5 de novembro, quando um inocente, aparentemente mentalmente incapaz, homem de 20 anos, Ahmad al-Nabaheen, foi baleado quando passeava perto da fronteira. Os médicos tiveram que esperar seis horas até serem autorizados a buscá-lo. Eles suspeitam que o homem pode ter morrido por causa desse atraso. Depois, em 08 de novembro, um menino de 13 anos que jogava futebol em frente de sua casa foi morto por fogo do IOF, que chegou ao território de Gaza em tanques e helicópteros. O ferimento de quatro soldados israelenses na fronteira em 10 de novembro, portanto, já era parte de uma cadeia de eventos que começou quando os civis de Gaza foram mortos.

Nós, os signatários, voltamos recentemente de uma visita à Faixa de Gaza. Alguns de nós estamos agora conectados aos palestinos que vivem em Gaza através de mídias sociais. Por duas noites seguidas, palestinos em Gaza foram impedidos de dormir pela movimentação contínua de drones, F16, e bombardeios indiscriminados sobre vários alvos na densamente povoada Faixa de Gaza . A intenção clara é de aterrorizar a população, e com sucesso, como podemos verificar a partir de relatos dos nossos amigos. Se não fosse pelas postagens no Facebook, não estaríamos conscientes do grau de terror sentido pelos simples civis palestinos em Gaza. Isto contrasta totalmente com a consciência mundial sobre cidadãos israelenses chocados e aterrorizados.

O trecho de um relato enviado por um médico canadense que esteva em Gaza, servindo no hospital Shifa ER no final de semana, diz: ” os feridos eram todos civis, com várias perfurações por estilhaços: lesões cerebrais, lesões no pescoço, tamponamento cardíaco, ruptura do baço, perfurações intestinais, membros estraçalhados, amputações traumáticas. Tudo isso sem monitores, poucos estetoscópios, uma máquina de ultra-som. …. Muitas pessoas com ferimentos graves, mas sem a vida ameaçada foram mandadas para casa para ser reavaliadas na parte da manhã, devido ao grande volume de baixas. Os ferimentos por estilhaços penetrantes eram assustadores. Pequenas feridas com grandes ferimentos internos. Havia muito pouca morfina para analgesia.”

Aparentemente, tais cenas não são interessantes para o New York Times, a CBC, ou a BBC.

Preconceito e desonestidade com relação à opressão dos palestinos não é nada novo na mídia ocidental e tem sido amplamente documentado. No entanto, Israel continua seus crimes contra a humanidade com a anuência plena e apoio financeiro, militar e moral de nossos governos, os EUA, o Canadá e a União Europeia. Netanyahu está ganhando apoio diplomático ocidental para operações adicionais em Gaza, que nos fazem temer que outra operação Cast Lead esteja no horizonte. Na verdade, os novos acontecimentos são a confirmação de que tal escalada já começou, como a contabilização das mortes de hoje que aumenta.

A falta generalizada de indignação pública a estes crimes é uma conseqüência direta do modo sistemático em que os fatos são retidos ou da maneira distorcida que esses crimes são retratados.

Queremos expressar nossa indignação com a cobertura repreensível desses atos pela mainstream mídia (grande imprensa corporativa). Apelamos aos jornalistas de todo o mundo que trabalham nessas mídias que se recusem a servir de instrumentos dessa política sistemática de camuflagem. Apelamos aos cidadãos para que se informem através de meios de comunicação independentes, e exprimam a sua consciência por qualquer meio que lhes seja acessível.

Hagit Borer, linguista, Queen Mary University of London (UK)

Antoine Bustros, compositor e escritor, Montreal (Canadá)

Noam Chomsky, linguista, Massachussetts Institute of Technology, USA

David Heap, linguista, University of Western Ontario (Canadá)

Stephanie Kelly, linguista, University of Western Ontario (Canadá)

Máire Noonan, linguista, McGill University (Canadá)

Philippe Prévost, linguista, University of Tours (França)

Verena Stresing, bioquímico, University of Nantes (França)

Laurie Tuller, linguista, University of Tours (França)

2 Comentários

Arquivado em Política