Arquivo da tag: Manifestações

Golpistas em ação: as manifestações de 15 de março

Quem fizer uma breve consulta no Google Images por fotos tiradas durante as manifestações realizadas em várias cidades neste último domingo (15), facilmente encontrará imagens de muitas pessoas que saíram às ruas para pedir a derrubada de um governo legitimamente eleito através de uma intervenção militar.

Uma das imagens que circulou amplamente pela rede mundial de computadores, pedia às Forças Armadas que libertassem o Brasil ou o mundo iria sangrar (???). Tal faixa, como se pode ver abaixo, trazia uma suástica de um lado e, do outro, a foice e o martelo dentro do tradicional símbolo de proibição. Uma segunda frase, escrita em inglês, alertava ao perigo que a “União das Repúblicas Socialistas da América Latina” (URSAL) representam para a paz mundial (???).

004

Imagem capturada a partir da cobertura do canal Globo News de participantes da manifestação no Rio de Janeiro neste último domingo, 15 de março.

Ora, ainda que ao portar tal faixa os manifestantes estivessem buscando associar o nazismo ao socialismo, como já me apontaram pelas redes sociais, parece que a junção de tais elementos não foi a melhor estratégia para comunicar esta ideia. Na verdade, se essa era mesmo a intenção, o tiro parece ter saído pela culatra, uma vez que a imagem está sendo bastante explorada no sentido de relacionar tais manifestantes a grupos simpatizantes às ideias nazistas. Ainda mais quando se vê, na mesma faixa, uma suástica, seguida da defesa de intervenções militares para destruir governos latino-americanos eleitos democraticamente e um símbolo indicando a proibição de governos socialistas.

Outras imagens que chamaram bastante minha atenção, pela recorrência dos cartazes e gritos de ordem que ecoaram por diversas capitais do país, foram as que apareceram em cartazes lembrando que a bandeira do Brasil não é vermelha, mas verde e amarela, na tentativa de associar o atual governo a ditaduras comunistas. Para os indivíduos que portavam estes cartazes (e muitos dos presentes nas manifestações), tal associação seria razão suficiente para uma intervenção militar no país, uma vez que é preferível um governo militar do que a presente “ditadura comunista” em que vivemos.

011

Cartaz exibido durante manifestações realizadas em São Paulo, 15 de março.

008

Rapaz envolto na bandeira brasileira segura cartaz durante manifestações realizadas em São Paulo, 15 de março.

Fora o “erro” grosseiro ao interpretar os últimos governos petistas como “ditaduras comunistas”, vê-se que estamos diante de indivíduos que se dizem apolíticos, que teriam sido impulsionados às ruas por um sentimento nacionalista em defesa de uma pátria que estaria sob o risco de se desmantelar pela ação de um governo dito comunista. No entanto, quem vem acompanhando a conjuntura política do país desde as campanhas eleitorais de 2014, percebe que as manifestações não foram promovidas por grupos apolíticos, que tais grupos estão em defesa da pátria ou, tampouco, que o país corre risco de se desmantelar em razão de uma ditadura comunista. Tal construção é tão falsa quanto uma nota de R$ 3,00. Tais ideias (grupos apolíticos, nacionalismo, combate ao comunismo) são utilizadas como instrumentos para que o intuito golpista penetre amplamente na sociedade, conquistando corações e mentes. Como já disseram alhures, o nacionalismo é, de fato, o esconderijo preferido de golpistas e fascistas.

Por fim, uma faixa vergonhosa, novamente escrita em inglês e português, pede socorro às forças armadas sob a justificativa de que uma “verdadeira reforma política” apenas poderia ser feita pelas mãos dos militares.

013

Faixa exibida nas manifestações de março de 2015 em defesa de reformas políticas, contudo, através dos militares.

Ora, vê-se novamente o paradoxo de pessoas que saem às ruas em um ato democrático, nutrindo total desprezo pela democracia. Pelo que demonstram, ao invés de lutarem por maior participação política, de juntarem forças aos movimentos sociais e clamarem por lideranças coletivas, desejam ver implantado regimes baseados em lideranças individuais e fortes, que imponham a ordem com armas na mão. Como se isso não fosse suficiente, a faixa ainda apela ao uso de imagens desrespeitosas, tal como a mão com quatro dedos dentro do círculo de proibição para fazer referência ao ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva. Fica claro, uma vez mais, que parte do problema é o ódio que uma porção da sociedade nutre em relação a este homem. Mais do que isso, o terror que sentem ante a possibilidade de Lula vir a assumir novo mandato presidencial em 3 anos e meio, colocando em xeque o pretenso apolitismo do movimento. Se não for possível derrubar agora, o objetivo é o enfraquecimento do partido de Lula, o quanto for possível, de modo que até mesmo uma candidatura seja inviável no pleito de 2018.

Imagens como são constrangedoras. Confesso que não imaginava ver uma parte significativa da população brasileira saindo às ruas, apenas 30 anos após a derrocada do regime militar, clamando por uma intervenção militar. Ao contrário do que uma das faixas propunha no último domingo, penso que a Reforma Política deve ser feita pelo povo de modo a reforçar as instituições e não enfraquecê-las ou destruí-las. Precisamos urgentemente dessas reformas, mas não para limitar ainda mais o poder popular. Parece estranho ter que vir aqui defender o óbvio.

Tudo isso me entristece muito, pois vejo que no fundo do problema, como sempre, está a ignorância da população, sendo utilizada como instrumento pelas poucas pessoas que sempre estiveram no poder. Portanto, a conclusão a que chego é que nossa luta, em boa medida, ainda é contra a ignorância. Foi por isso, aliás, que passei a dedicar minha vida à docência. No entanto, a maneira como a educação vem sendo encaminhada no Brasil (e no resto do mundo), não oferece muitas perspectivas para uma mudança significativa em direção a uma sociedade mais crítica e com maior participação na vida política. Muito pelo contrário, cada vez mais os jovens são estimulados a deixarem a vida política nas mãos de quem ela sempre esteve.

002

001

007

009

010

Anúncios

2 Comentários

Arquivado em Brasil, Política

Em São Paulo, deputados proíbem uso de máscaras nas manifestações

EMBORA INCONSTITUCIONAL, O PROJETO DE LEI, DE AUTORIA DO DEPUTADO CAMPOS MACHADO, FOI APROVADO NESSA SEMANA PELOS DEPUTADOS PAULISTAS E APENAS AGUARDA A SANÇÃO DO GOVERNADOR GERALDO ALCKMIN.

Os deputados da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo, em sessão extraordinária realizada na última quinta-feira (3), aprovaram projeto de lei que proíbe o uso de máscaras em manifestações de rua em São Paulo. De autoria do deputado Campos Machado (PDT-SP), o projeto de lei pretende acabar com o anonimato nas manifestações. Segundo o texto do projeto lei:

“(…) é nítida e imperiosa a necessidade de normatização e regulamentação dessa conduta social [manifestações]. Ressaltamos que a presente propositura busca vedar o anonimato que é um ato anti-jurídico e ofensivo à nossa Constituição, além de ser também ato preparatório para a prática de crimes”.

PMs não identificados na repressão às manifestações.

PMs não identificados na repressão às manifestações.

Ora, se a intenção é mesmo acabar com o anonimato, me pergunto se essa mesma Assembleia Legislativa determinará que nossos policiais militares, igualmente, portem identificação em seu fardamento, uma vez que os mesmos foram flagrados inúmeras vezes durante as manifestações e demais ações repressivas dessa truculenta instituição sem uma única identificação que permitisse ao cidadão prestar queixa contra a violência policial sofrida. Este foi o caso, aliás, da advogada Silvia Dascal, violentamente agredida e presa pela PM após questionar porque os policiais estavam atuando sem identificação durante protesto na Praça Roosevelt, nessa última terça-feira (01.jul).

Em matéria publicada pela Folha de S. Paulo, Campos Machado teria afirmado que o objetivo de seu projeto é “separar delinquentes de manifestantes pacíficos”, como se os manifestantes que utilizam algum tipo de máscara fossem todos delinquentes.

Campos Machado afirmou ao jornalão que a aprovação de sua proposta foi “uma vitória do cidadão de bem”. Personagem a quem políticos e governantes sempre recorrem para, eles mesmos, infringirem leis e violarem direitos previstos na Constituição.

Lucas Monteiro, do Movimento Passe Livre (MPL), posicionou-se muito bem quando perguntado pela Folha sobre a decisão dos deputados da Assembleia:

“(…) a medida fere a liberdade de manifestação e é uma tentativa de criminalizar os movimentos sociais. Como se houvesse o bom e o mau manifestante”.

Para o defensor público Carlos Weis, que também é coordenador do núcleo de Direitos Humanos da Defensoria Pública do Estado de São Paulo, o projeto é inconstitucional. Perguntado pela Folha sobre sua opinião em relação ao projeto, Weis deixa claro que o projeto…

“(…) é francamente inconstitucional. Porque segundo a Constituição o regime de restrição às liberdades deve-se dar exclusivamente pelo Direito Penal e a lei deve ser obrigatoriamente elaborada pelo Congresso Nacional. Não cabe as assembleias legislativas fazer isso. (…) Isso foi amplamente discutido no Congresso. Prevaleceu que o uso da máscara não pode ser proibido, pois fere a liberdade de manifestação”.

Perguntado ainda sobre o que esperava da atuação da polícia se a lei fosse sancionada pelo governador Geraldo Alckmin, Weis deixa bastante claro que se a polícia utilizar essa norma para justificar sua conduta estará agindo ilegalmente. Diz ainda que mesmo sendo inconstitucional, a lei acabará induzindo policiais a acreditar que estão atuando dentro da lei, mas não estão.

Deixe um comentário

Arquivado em Manifestações, Política

Black Bode Expiatório: 10 fatos sobre o caso do cinegrafista da Band

por Samuel Braun | publicado originalmente em seu perfil pessoal no Facebook

Fabio_Caio

Fábio Raposo e Caio Silva de Souza

1 – Fabio se entrega voluntariamente à polícia, acompanhado de um advogado particular.
1.A – Nenhum manifestante (ou PM) se entregou até hoje, em nenhuma manifestação.
1.B – Fabio não estava foragido, nem procurado, ele resolveu se apresentar ‘voluntariamente’.

2 – Seu advogado é o mesmo que fez a defesa de ex-vereador miliciano preso em penitenciaria federal.
2.A – O miliciano preso é irmão de outro miliciano preso, Jerominho, do mesmo partido (PMDB) do governador e do prefeito, alvos dos protestos.
2.B – Quando defendia o miliciano, responsável pela morte de diversas pessoas em chacinas, este advogado não entregou seu cliente em nenhuma delegacia.

3 – Advogado denuncia, através de seu assistente, o deputado Freixo como ligado aos atos criminosos em apuração.
3.A – Após fazer questão de comunicar esta versão ao delegado e registrá-la, voltou atrás. Não antes de toda míidia dar ampla divulgação.
3.B – Freixo concorreu contra Eduardo Paes e se constituiu como único candidato forte de oposição ao atual governo.

4 – Fabio alega que apenas entregou o artefato, que outra pessoa o detonou, mas não sabe quem foi.
4.A – Fabio repentinamente conhece alguem, que conhece alguém que sabe nome, apelido e CPF deste que teria acendido o artefato.
4.B – O tal denunciante não é revelado, e o advogado é que assume a responsabilidade pela denúncia.

5 – O advogado Jonas denuncia à polícia quem teria sido o detonador do artefato. A estratégia da defesa de Fabio é responsabilizar Caio, negro de cabelo curto e duro.
5.A – As imagens apontam um rapaz claro, cabelos lisos e volumosos.
5.B – Polícia vai a caça de Caio na casa de sua família. Jonas, o advogado denunciante vai junto.

6 – Partem num avião um delegado do Rio, o advogado denunciante e a imprensa para prenderem Caio na Bahia, após sua família ser pressionada a entregá-lo.
6.A – Caio é preso pelo delegado e pelo advogado denunciante. Um trunfo para a defesa de Fabio.
6.B – Inexplicavelmente, o advogado de Fabio, denunciante e auxiliar na captura, vira defensor TAMBÉM de Caio.

7 – Jonas, que não entregou Natalino, mas entregou Fabio, acusou e prendeu Caio agora defende Caio contra Fabio e Fabio contra Caio.
7.A – a polícia aceita que um advogado da parte ré participe de uma operação policial.
7.B – Autoridade policial aceita, sem estranhamento, que advogado de um réu que denunciou outro e auxiliou na prisão deste siga como defensor deste.

8 – Jonas, o advogado que faz prisões, e a Globo, que teve permissão pra cobrir com exclusividade a operação (porque, porque?) dizem que Caio afirmou que “políticos aliciam para manifestações”.
8.A – Caio não assinou nenhuma declaração nesse sentido. Um vídeo mostra que ele disse claramente que pessoas são convocadas (não aliciadas) e que é papel da polícia investigar quem convoca (portanto, não acusou ninguém, muito menos políticos).

9- Senadores do PT, PRB e PP (aliança dos governos municipal e estadual, foco dos protestos) apresenta projeto que tipifica manifestação e greve como terrorismo. Outro senador do mesmo partido sobe na tribuna exigindo urgência na aprovação.
9.A – Secretário de Segurança do Rio apresenta projeto para Congresso (!!!) para tipificar tambem crime de desordem e incitação a desordem pública.
9.B – Imprensa, liderada pela Globo, exige maior repressão policial e jurídica ao que chama de atentado à liberdade de imprensa.

10 – Instituições democráticas, partidos de esquerda, militantes e personalidades ligada aos governos apoiam a cruzada acima.
10.A – Em se aprovando os projetos, todas as atividades dos sindicatos, entidades estudantis e movimentos sociais serão considerados terrorismo e desordem pública.
10.B – Santiago foi a 10ª pessoa morta em decorrência das manifestações, a primeira por conta de manifestantes. Das outras 9, nem o nome se sabe direito.

1 comentário

Arquivado em Política, TV

Sobre o aumento do IPTU em São Paulo

Acabo de receber a notícia de que foi aberta no facebook uma convocatória para um ato contra o aumento do IPTU em São Paulo com o seguinte mote: SE O IPTU AUMENTAR, A CIDADE VAI PARAR !!!

Ora, em primeiro lugar, deve-se lembrar que o IPTU é um imposto que incide sobre a propriedade. Qualquer associação ou comparação do aumento desse imposto com o aumento da tarifa do transporte público é uma tremenda estupidez. Trata-se de uma manobra para cooptar os trabalhadores a protestar contra um aumento que afeta, em grande parte, a classe média, média alta e alta.

Vale lembrar que o último reajuste do IPTU em São Paulo se deu em 2009. Entre 2010 e 2013 a especulação imobiliária fez com que os preços dos imóveis, especialmente nos bairros ditos mais bem localizados de São Paulo (Jardins, Vila Mariana, Morumbi, Itaim, Vila Olímpia, Moema, Ibirapuera, Campo Belo, etc.), tivessem um aumento extraordinário em seu valor venal. Como bem explicou a urbanista e professora da FAU-USP Raquel Rolnik, esse “boom imobiliário sem precedentes foi catapultado pelo crescimento econômico, pelo aumento do crédito imobiliário e da participação do mercado paulistano na ciranda financeira local e internacional”.

Como bem lembrou Rolnik, em “uma cidade submetida unicamente à lógica financeira, bairros inteiros são descaracterizados e é cada vez mais difícil morar em bairros bem localizados”. Justamente no momento em que a cidade tenta “captar uma parte dos enormes ganhos imobiliários e financeiros gerado nos últimos anos” pelo grande aumento no preço dos imóveis através do reajuste do IPTU, surge uma reação de uma parcela da população que, indignada com o aumento, pretende mobilizar os trabalhadores para parar a cidade.

Ora, como se sabe, o  IPTU é das poucas fontes de receita própria dos municípios. O aumento de arrecadação dessa fonte permite que a cidade dependa cada vez menos de repasses de recursos do governo federal e estadual para investir naquilo que é considerado prioritário para a cidade, ou ainda, para pagar menos encargos frente ao endividamento que o município se vê obrigado a fazer por falta de recursos. Além disso, o reajuste do IPTU não afetará todos os cidadãos da mesma forma. Como podemos ver no infográfico abaixo, os bairros periféricos de São Paulo não só não serão afetados pelo reajuste, como terão uma redução do imposto.

IPTU SPaulo 2013

Infográfico publicado na Folha de S. Paulo

Após essas breves reflexões sobre o aumento do IPTU em São Paulo, cabe-nos fazer as seguintes perguntas:

  • A quem serve esse protesto que pretende parar a cidade?
  • Qual a relação que o aumento do IPTU tem com o aumento da tarifa do transporte público?
  • Por que o grupo que convoca o protesto pretende associar coisas tão distintas como o aumento do IPTU com o aumento do transporte público?

De minha parte, digo que estou fora de quaisquer protestos contra o aumento do IPTU, pois acredito que trata-se de um reajuste mais do que justificado, que permitirá a cidade investir melhor seus recursos em projetos considerados prioritários.

ATUALIZAÇÃO

Após ter publicado o post, fiz uma pesquisa para ver quem eram os maiores sonegadores de IPTU em São Paulo (ou se preferir, devedores de IPTU). Encontrei uma reportagem de 2009, publicada pelo portal R7, dando conta de que somente entre os dez maiores devedores do IPTU, a cidade estava sendo onerada em mais de meio bilhão de reais. Isso mesmo! A soma dos valores devidos somente pelos dez maiores sonegadores do imposto perfaziam um total de R$ 507 milhões em São Paulo. A lista dos devedores de então era composta por clubes, shoppings, hospitais, faculdades e até órgãos governamentais.

Abaixo, a lista dos maiores devedores do IPTU em 2009:

  1. Jockey Club – R$ 147 milhões 
  2. Associação Nóbrega de Educação e Assistência Social – R$ 91 milhões  
  3. Shopping Interlagos – R$ 54 milhões 
  4. Ceagesp – R$ 47 milhões 
  5. Correios – R$ 46 milhões 
  6. Hospital Santa Catarina – R$ 29 milhões
  7. SPTuris – R$ 28 milhões  
  8. Palmeiras – R$ 24 milhões 
  9. Fundação Cásper Líbero – R$ 21 milhões  
  10. Shopping Eldorado – R$ 20 milhões

Já outra notícia também de 2009, dessa vez publicada na Folha de S. Paulo, dava conta de que 13 shoppings de São Paulo totalizavam um débito de R$ 152 milhões.

A quem serve um protesto contra o aumento do IPTU?

66 Comentários

Arquivado em Política

Prelúdio de um golpe?

Logo após a participação no quinto grande ato contra o aumento da tarifa do transporte público, postei em meu perfil das redes sociais alguns pontos que haviam me preocupado durante a marcha,

  • Gente enrolada em bandeira do Estado de São Paulo. Que porra é essa? Eles passaram antes em uma agência do Bradesco pra roubar essa porra ou surrupiaram do avô deles que participou da Revolução de 32???
  • Muita gente censurando o pessoal que estava com bandeiras e camisetas de partidos e grupos de movimentos sociais, como MST, UNE, Sindicais, etc. Por quê??? Então o negócio é esse? Esse pessoal constrói o movimento, vai pras ruas durante anos e junto com outros movimentos sociais ajudam a criar uma luta na qual, ontem, muita gente foi participar pela primeira vez e, justamente, esse pessoal vai pra lá pra expulsá-los da marcha? A quem interessa uma luta SEM PARTIDOS ou melhor, a quem interessa que os partidos que construíram essa luta sejam desacreditados? A cada vez que gritavam SEM PARTIDO na manifestação, tentava ajudar a gritar SEM CENSURA, pois aquele pessoal, legitimamente, tem o direito e o dever de estarem na manifestação.
  • Como não poderia deixar de ser, muita gente vestida de branco ou com cartazes pela PEC 37 e outros objetivos. Ora, a manifestação era contra o aumento das tarifas. Foi só depois das quatro primeiras manifestações, que a TV, jornais e demais órgãos da grande mídia passaram a apoiar o grande número das pessoas que iam as ruas e, tentando aproveitar-se disso, quiseram pautar a manifestação, dizendo como os manifestantes deveriam se vestir e que cartazes deveriam carregar. Quantos e quantos cartazes atendendo o insistente pedido do Arnaldo Jabor não vi na manifestação ontem? Quantas e quantas pessoas vestidas de Branco com pautas mil querendo dividir a manifestação? Eu não fui pra rua correr atrás do Caco Barcellos e impedi-lo de gravar seu programa bosta para a TV que ele trabalha. Eu fui me manifestar contra o aumento das tarifas de ônibus. Em um dado momento, durante a concentração no Lgo. da Batata, um grande grupo saiu da concentração para perseguir o jornalista e gritar palavras de ordem contra sua emissora. BACANA, também não gosto da emissora e do seu papel. Mas eu não fui lá pra isso. Durante 1h esse grupo com muitas pessoas ficou gritando e acompanhando o jornalista. A maior parte dessas pessoas, as mesmas que gritavam SEM PARTIDO e queriam queimar as bandeiras do PSTU, PSOL e PCO. Alguns conseguiram tomar a bandeira de uma das manifestantes e rasgá-la. Outro conseguiu atear fogo em uma delas. Eu sei, parece confuso. Como uma pessoa que persegue a Rede Globo na manifestação pode vir pra manifestação atendendo a pauta veiculada nesse canal? Mas foi assim que eu vi e, honestamente, achei isso bastante lamentável.
  • Espero encontrar cada vez menos esse tipo de comportamento, mas sei que será inevitável. Lamento muito ver, a cada momento, UOL, Folha, Terra, Veja, Globo tentando se apoderar das manifestações para atenderem suas pautas, suas demandas. É lamentável ouvir o Jabor se desculpando para tentar infiltrar cada vez mais gente no movimento contra as tarifas de ônibus com outras reivindicações. É triste ver as bandeiras de São Paulo enroladas nos corpos de manifestantes, é muito triste.

Pois bem, hoje, dia 20/06, o amigo Thiago Virgílio me recomendou a leitura de um texto publicado por uma socióloga que, também ao observar alguns “fatos estranhos” durante as manifestações em São Paulo, acredita que o que temos observado são sinais claros de um Golpe sendo arquitetado pelas partes mais conservadores deste país, com participação da Grande Mídia.

Por essa razão, o Hum Historiador repercute texto da socióloga Marília Moschkovich, publicado no blog Primavera Brasileira, em 19/06/2013, onde ela aponta essa série de fatos estranhos que ela observou durante sua participação nessa semana de manifestações em São Paulo.

ESTÁ TUDO TÃO ESTRANHO, E NÃO É À TOA
Um relato do quebra-cabeças que fui montando nos últimos dias. Aviso que o post é longo, mas prometo fazer valer cada palavra.

por Marília Moschkovich, publicado originalmente em Primavera Brasileiraaos 19/06/2013.

1. Contexto é bom e mantém a pauta no lugar

Hoje é dia 18 de junho de 2013. Há uma semana, no dia 10, cerca de 5 mil pessoas foram violentamente reprimidas pela Policia Militar paulista na Avenida Paulista, símbolo da cidade de São Paulo. Com a transmissão dos horrores provocados pela PM pela internet, muitas pessoas se mobilizaram para participar do ato seguinte, que seria realizado no dia 13. A pauta era a revogação no aumento das tarifas de ônibus, que já são caras e já excluem diversos cidadãos se seu direito de ir e vir, frequentando a própria cidade onde moram.

No dia 13, então, aconteceu a primeira coisa estranha, que acendeu uma luzinha amarela (quase vermelha de tão laranja) na minha cabeça: os editoriais da folha e do estadão aprovavam o que a PM tinha feito no dia 10 de junho e, mais do que isso, incentivavam ações violentas da pm“em nome do trânsito” [aliás, alguém me faz um documentário sensacional com esse título, faz favor? ]. Guardem essa informação.

Logo após esses editoriais, no fim do dia, a PM reprimiu cerca de 20milpessoas. Acompanhei tudo de casa, em outra cidade. Na primeira hora de concentração para a manifestação foram presas 70 pessoas, por sua intenção de participar do protesto. Essa intenção era identificada pela PM com o agora famoso “porte de vinagre” (já que vinagre atenua efeitos do gás lacrimogêneo). Muitas pessoas saíram feridas nesse dia e, com os horrores novamente transmitidos – mas dessa vez também pelos grandes meios de comunicação, inclusive esses dos editoriais da manhã, que tiveram suas equipes de reportagem gravemente feridas -, muita gente se mobilizou para o próximo ato.

2. Desonestidade pouca é bobagem

No próprio dia 13, à noite, aconteceu a segunda “coisa estranha”. Logo no final da pancadaria na região da Paulista, sabíamos que o próximo ato seria na segunda-feira, dia 17 de junho. Me incluíram num evento no Facebook, com exatamente o mesmo nome dos eventos do MPL, as mesmas imagens, bandeiras, etc. Só que marcado para sexta-feira, o dia seguinte. Eu dei “ok”, entrei no evento, e comecei a reparar em posts muito, mas muito esquisitos. Bandeiras que não eram as do MPL (que conheço desde adolescente), discursos muito voltados à direita, entre outros. O que estava ali não era o projeto de cidade e de país que eu defendo, ou que o MPL defende.

Dei uma olhada melhor: eram três pessoas que haviam criado o evento. Fucei o pouco que fica público no perfil de cada um. Não encontrei nenhuma postagem sobre nenhuma causa política. Apenas postagens sobre outros assuntos. Lá no fim de um dos perfis, porém, encontrei uma postagem com um grupo de pessoas em alguma das tais marchas contra a corrupção. Alguma coisa com a palavra “Juventude”, não me lembro bem. Ficou claro que não tinha nada a ver com o MPL e, pior que isso, estavam tentando se passar pelo MPL.

Alguém me deu um toque e observei que a descrição dizia o trajeto da manifestação (coisa que o MPL nunca fez, até hoje, sabiamente). Além disso, na descrição havia propostas como “ir ao prédio da rede globo” e “cantar o hino nacional”, “todos vestidos de branco”. O alerta vermelho novamente acendeu na minha cabeça. Hino nacional é coisa de integralista, de fascista. Vestir branco é coisa de movimentos em geral muito ou totalmente despolitizados. Basta um mínimo de perspectiva histórica pra sacar. Pois bem.

Ajudei a alertar sobre a desonestidade de quem quer que estivesse organizando aquilo e meu alerta chegou a uma das pessoas que, parece, estavam envolvidas nessa organização (ou conhecia quem estava). O discurso dela, que conhece alguém que eu conheço, era totalmente despolitizado. Ela falava em “paz”, “corrupção” e outras palavras de ordem vazias que não representam reivindicação concreta alguma, e muito menos um projeto de qualquer tipo para a sociedade, a cidade de São Paulo, etc. Mais um pouco de perspectiva histórica e a gente entende no que é que palavras de ordem e reivindicações vazias aleatórias acabam. Depois de fazer essa breve mobilização na internet com várias outras pessoas, acabaram mudando o nome e a foto do evento, no próprio dia 13 de noitão. No dia seguinte transferiram o evento para a segunda-feira, “para unir as forças”, diziam.

3. E o juiz apita! Começa a partida!

Seguiu-se um final de semana extremamente violento em diversos lugares do país. Era o início da Copa das Confederações e muitos manifestantes foram protestar pelo direito de protestarem. O que houve em sp mostrou que esse direito estava ameaçado. Além disso, com a tal “lei da copa”, uma legislação provisória que vale durante os eventos da FIFA, em algumas áreas publicas se tornam proibidas quaisquer tipos de manifestações políticas. Quer dizer, mais uma ameaça a esse direito tão fundamental numa [suposta] democracia.

No final de semana as manifestações não foram tão grandes, mas significativas em ao menos três cidades: Belo Horizonte, Brasília e Rio de Janeiro. No DF e no RJ as polícias militares seguiram a receita paulista e foram extremamente violentas. A polícia mineira, porém, parecia um exemplo de atuação cidadã, que repassamos, compartilhamos e apoiamos em redes sociais do lado de cá do sudeste.

Não me lembro bem, mas acho que foi no intervalo entre uma coisa e outra que percebi a terceira “coisa estranha”. Um pouco depois do massacre na região da Paulista, e um pouco antes do final de semana de horrores, mais um sinal: ficamos sabendo que uma conhecida distante, depois do dia 13, pegou um ônibus para ir ao Rio de Janeiro. Essa pessoa contou que a PM paulista parou o ônibus na estrada, antes de sair do Estado de São Paulo. Mandaram os passageiros descerem e policiais entraram no veículo. Quando os passageiros subiram novamente, todas as coisas, bolsas, malas e mochilas estavam reviradas. A policial perguntou a essa pessoa se ela tinha participado de algum dos protestos. Pediu pra ver o celular e checou se havia vídeos, fotografias, etc.

Não à toa e no mesmo “clima”, conto pra vocês a quarta “coisa estranha”: descobrimos que, após o ato em BH, um rapaz identificado como uma das lideranças políticas de lá foi preso, em sua casa. Parece que a nossa polícia exemplar não era tão exemplar assim, mas agora ninguém compartilhava mais. Coisas semelhantes aconteceram em Brasília, antes mesmo das manifestações começarem.

4. Sequestraram a pauta?

Então veio a segunda-feira. Dia 17 de junho de 2013. Ontem. Havia muita gente se prontificando a participar dos protestos, guias de segurança compartilhados nas redes, gente montando pontos de apoio, etc. Uma verdadeira mobilização para que muita gente se mobilizasse. Estávamos otimistas.

Curiosamente, os mesmos meios de comunicação conservadores que incentivaram as ações violentas da PM na quinta-feira anterior (13) de manhã, em seus editoriais, agora diziam que de fato as pessoas deveriam ir às ruas. Só que com outras bandeiras. Isso não seria um problema, se as pessoas não tivessem, de fato, ido à rua com as bandeiras pautadas por esses grupos políticos (representados por esses meios de comunicação). O clima, na segunda-feira, era outro. Era como se a manifestação não fosse política e como se não estivesse acontecendo no mesmo planeta em que eu vivo. Meu otimismo começou a decair.

A pauta foi sequestrada por pessoas que estavam, havia alguns dias, condenando os manifestantes por terem parado o trânsito, e que são parte dos grupos sociais que sempre criminalizaram os movimentos sociais no Brasil (representados por um pedaço da classe política, estatisticamente o mais corrupto – não, não está nem perto de ser o PT -, e pelos meios de comunicações que se beneficiam de uma política de concessões da época da ditadura). De repente se falava em impeachment da presidenta. As pessoas usavam a bandeira nacional e se pintavam de verde e amarelo como ordenado por grandes figurões da mídia de massas, colunistas de opinião extremamente populares e conservadores.

As reações de militantes variavam. Houve quem achasse lindo, afinal de contas, era o povo nas ruas. Houve quem desconfiasse. Houve quem se revoltasse. Houve quem, entre todos os sentimentos possíveis, ficasse absolutamente confuso. Qualquer levante popular em que a pauta não eh muito definida cria uma situação de instabilidade política que pode virar qualquer coisa. Vimos isso no início do Estado Novo e no golpe de 1964, ambos extremamente fascistas. Não quer dizer que desta vez seria igual, mas a história me dizia pra ficar atenta.

5. Não, sequestraram o ato!

A passeata do dia 17, segunda-feira, estava marcada para sair do Largo da Batata, que fica numa das pontas da avenida Faria Lima. Não se sabia, não havia decisão ainda, do que se faria depois. Aos que não entendem, a falta de um trajeto pré-definido se justifica muito bem por duas percepções: (i) a de que é fácil armar emboscadas para repressão quando divulga-se o trajeto; e, (ii) mais importante do que isso, a percepção de que são as pessoas se manifestando, na rua, que devem definir na hora o que fazer. [e aqui, se vocês forem espertos, verão exatamente onde está a minha contradição – que não nego, também me confunde]

A passeata parecia uma comemoração de final de copa do mundo. Irônico, não? Começamos a teorizar (sem muita teoria) que talvez essa fosse a única referência de manifestações públicas que as pessoas tivessem, em massa:o futebol. Os gritos eram do futebol, as palavras de ordem eram do futebol. Muitas camisetas também eram do futebol.Havia inclusive uns imbecis soltando rojões, o que não é muito esperto pois pode gerar muito pânico considerando que havia poucos dias muita gente ali tinha sido bombardeada com gás lacrimogêneo. Havia pessoas brincando com fogo. [guardem essa informação do fogo também]

Agora uma pausa: vocês se lembram do fato estranho número dois? O evento falso no facebook? Bom, o trajeto desse evento falso incluía a Berrini, a ponte Estaiada e o palácio dos Bandeirantes, sede do governo do Estado. Reparem só.

Quando a passeata chegou ao cruzamento da Faria Lima com a Juscelino, fomos praticamente empurrados para o lado direito. Nessa hora achamos aquilo muito esquisito. Em nossas cabeças, só fazia sentido ir à Paulista, onde havíamos sido proibidos de entrar havia alguns dias. Era uma questão de honra, de simbologia, de tudo. Resolvemos parar para descobrir se havia gente indo para o lado oposto e subindo a Brigadeiro até a Paulista. Umas amigas disseram que estavam na boca do túnel. Avisei pra não irem pelo túnel que era roubada. Elas disseram então que estavam seguindo a passeata pela ponte, atravessando a Marginal Pinheiros.

Demoramos um tanto pra descobrirmos, já prontos pra ir para casa broxados, que havia gente subindo para o outro lado. Gente indo à esquerda. Era lá que preferíamos estar. Encontramos um outro grupo de pessoas conhecidas e amigas e seguimos juntos. As palavras de ordem não mudaram. Eram as mesmas em todos os lugares. As pessoas reproduziam qualquer frase de efeito tosca de manira acrítica, sem pensar no que estavam dizendo. Efeito “multidão”, deve ser.

As frases me incomodaram muito. Nem uma só palavra sobre o governador que ordenara à PM descer bala, cassetete e gás na galera havia poucos dias. Que promove o genocídio da juventude negra nessa cidade todos os dias, há 20 anos. Nem mesmo uma. Os culpados de todos os problemas do mundo, para os verde-amarelos-bandeira-hino eram o prefeito e a presidenta. Ou essas pessoas são ignorantes, ou são extremamente desonestas.

Nem chegamos à Paulista, incomodados com aquilo. Fomos para casa nos sentindo muito esquisitos. Aí então conseguimos entender que aquelas pessoas do evento falso no facebook tinham conseguido de alguma maneira manobrar uma parte muito grande de pessoas que queria ir se manifestar em outro lugar. A falta de informação foi o que deu poder para esse grupo naquele momento específico. Mas quem era esse grupo? Não sei exatamente. Mas fiquei incomodada.

6. O centro em chamas.

Quem diria que essa sensação bizarra e sem nome da segunda-feira faria todo sentido no dia seguinte? Fez. Infelizmente fez. O dia seguinte, “hoje”, dia 18 de junho de 2013, seria decisivo. Veríamos se as pessoas se desmobilizariam, se a pauta da revogação do aumento se fortaleceria. Essa era minha esperança que, infelizmente, não se confirmou. A partir daqui são todos fatos recentes, enquanto escrevo e vou tentar explica-los em ordem cronológica. Aviso que foram fazendo sentido aos poucos, conforme falávamos com pessoas, ouvíamos relatos, descobríamos novas informações. Essa é minha tentativa de relatar o que eu vi, vivi, experienciei.

No fim da tarde, pegamos o metrô Faria Lima lotadíssimo um pouco depois do horário marcado para a manifestação. Perguntei na internet, em redes sociais, se o ato ainda estava na concentração ou se estava andando, e para onde. Minha intenção era saber em qual estação descer. Me disseram, tomando a televisão como referencia (que é a referencia possível, já que não havia um único comunicado oficial do MPL em lugar algum) que o ato estava na prefeitura. Guardem essa informação.

Fomos então até o metrô República. Helicópteros diversos sobrevoavam a praça e reparei na quinta “coisa estranha”: quase não havia polícia. Acho que vimos uns três ou quatro controlando curiosamente aENTRADA do metrô e não a saída… Quer dizer, quem entrasse no metro tinha mais chance de ser abordado do que quem estava saindoao contrário do dia 13.

A manifestação estava passando ali e fomos seguindo, até que percebemos que a prefeitura era outro lado. Para onde estavam indo essas pessoas? Não sabíamos, mas pelos gritos, pelo clima de torcida de futebol, sabíamos que não queríamos estar ali, endossando algo em que não acreditávamos nem um pouco e que já estávamos julgando sermeio perigoso. Quando passamos em frente à câmara de vereadores, a manifestação começou a vaiar e xingar em massa. Oras, não foram eles também que encheram aquela câmara com vereadores? O discurso de ser “apolítico” ou “contra” a classe política serve a um único interesse, a história e a sociologia nos mostram: o dos grupos conservadores para continuarem tocando a estrutura social injusta como ela é, sem grandes mudanças. Pois era esse o discurso repetido ali.

Resolvemos então descer pela rua Jandaia e tentar voltar à Sé, poisdisseram nas redes sociais que o ato real, do MPL, estava no Parque Dom Pedro. Como aquilo fazia mais sentido do que um monte de pessoas bem esquisitas, com cartazes bem bizarros, subindo para a Paulista, lá fomos nós.

Outro fato estranho, número seis:no meio da Rua Jandaia, num local bem visível para qualquer passante nos viadutos do centro, um colchão em chamas. A manifestação sequer tinha passado ali. Uma rua deserta e um colchão em chamas. Para quê? Que tipo de sinal era aquele? Quem estava mandando e quem estava recebendo? Guardamos as mascaras de proteção com medo de sermos culpados por algo que não sabíamos sequer de onde tinha vindo e passamos rápido pela rua.

Cruzamos com a mesma passeata, mais para cima, que vinha lá da região que fica mais abaixo da Sé, mas não sabíamos ainda de onde. Atrás da catedral, esperamos amigos. Uma amiga disse que o marido estava chateado porque não conseguiu pegar trem na Vila Olímpia. Achamos normal, às vezes a CPTM trava mesmo, daí essa porcaria de transporte e os protestos, etc. pois bem. Guardem a informação.

Uma amiga ligou dizendo que estava perto do teatro municipal e do Vale do Anhangabaú, que estava “pegando fogo”. Imbecil que me sinto agora, na hora achei que ela estava falando que estava cheio de gente, bacana, legal. [que tonta!] Perguntei se era o ato do MPL, se tinha as faixas do MPL. Ela disse que sim mas não confiei muito.Resolvemos ir ver.

[A partir daqui todos os fatos são “estranhos”. Bem estranhos.]

O clima no centro era muito tenso quando chegamos lá. Em nenhum dos outros lugares estava tão tenso. Tudo muito esquisito sem sabermos bem o quê. Os moradores de rua não estavam como quem está em suas casas. Os moradores de rua estavam atentos, em cantos, em grupos. Poucos dormiam. Parecia noite de operação especial da PM (quem frequenta de verdade a cidade de São Paulo, e não apenas o próprio bairro, sabe bem o que é isso entre os moradores de rua).

Só que era ainda mais estranho: não havia polícia. Não havia polícia no centro de São Paulo à noite. No meio de toda essa onda. Não havia polícia alguma. Nadinha de nada, em lugar nenhum.

Na Sé, descobrimos mais ou menos o caminho e fomos mais ou menos andando perto de outras pessoas. Um grupo de franciscanos estava andando perto de nós, também. Vimos uma fumaça preta. Fogo. MUITO fogo. Muito alto. O centro em chamas.

Tentamos chegar mais perto e ver. Havia pessoas trepadas em construções com latas de spray enquanto outros bradavam em volta daquela coisa queimando que não conseguíamos identificar. Outro colchão? Os mesmos que deixaram o colchão queimando na Jandaia? Mas quem eram eles?

De repente algumas pessoas gritaram e nós,mais outros e os franciscanos, corremos achando que talvez o choque estaria avançando. Afinal de contas, era óbvio que a polícia iria descer o cacete em quem tinha levantado aquele fogaréu (aliás, será q ela só tinha visto agora, que estava daquele tamanho todo?). Só que não.

Na corrida descobrimos que era a equipe da TV Record. Estavam fugindo do local – a multidão indo pra cima deles – depois de terem o carro da reportagem queimado. Não, não era um colchão. Era o carro de reportagem de uma rede de televisão. O olhar no rosto da repórter me comoveu. Ela, como nós, não conseguia encontrar muito sentido em tudo que estava acontecendo. Ao lado de onde conversávamos, uns quatro policiais militares. Parados. Assistindo o fogo, a equipe sendo perseguida… Resolvemos dar no pé que bobos nós não somos. Tinha algo muito, mas muito errado (e estranho) ali.

Voltamos andando bem rápido para a Sé, onde os moradores de rua continuavam alertas, e os franciscanos tentavam recolher pertences caídos pelo chão na fuga e se organizarem novamente para dar continuidade a sua missão. Nós não fomos tão bravos e decidimos voltar para nossas casas.

7. Prelúdio de um… golpe?

No metrô um aviso: as estações de trem estavam fechadas. É, pois é, aquela coisa que havíamos falado antes e tal. Mal havíamos chegado em casa, porém, uma conhecida posta no facebook que um amigo não conseguiu chegar em lugar nenhum porque algumas pessoas invadiram os trilhos da CPTM e várias estações ficaram paradas, fechadas. Não era caos “normal” da CPTM, nem problemas “técnicos” como a moça anunciava. Era de propósito. Seriam os mesmos do colchão, do carro da Record?

Lemos, em seguida, em redes sociais, que havia pessoas saqueando lojas e destruindo bancos no centro. Sabíamos que eram o mesmos. Recebi um relato de que uma ocupação de sem-teto foi alvo de tentativa (?) de incêndio. Naquele momento sabíamos que, quem quer que estivesse por trás do “caos” no centro, da depredação de ônibus na frente do Palácio dos Bandeirantes no dia anterior, de tentativas de criar caos na prefeitura, etc. não era o MPL.Também sabíamos que não era nenhum grupo de esquerda: gente de esquerda não quer exterminar sem-teto. Esse plano é de outro grupo político, esse que manteve a PM funcionando nos últimos 20 anos com a mesma estrutura da época da ditadura militar.

Algum tempo depois, mais uma notícia: em Belo Horizonte, onde já se fala de chamar a Força Nacional e onde os protestos foram violentíssimos na segunda-feira, havia ocorrido a mesma coisa.Depredação total do centro da cidade, sem nenhum policial por perto. Nenhunzinho. Muito estranho.

Nessa hora eu já estava convencida de que estamos diante de uma tentativa muito séria de golpe, instauração de estado de exceção, ou algod do tipo. Muito séria. Muito, muito, muito séria. Postei algumas coisas no facebook, vi que havia pessoas compartilhando da minha sensação. Sobretudo quem havia ido às ruas no dia de hoje.

Um pouquinho depois, outra notícia: a nova embaixadora dos EUA no Brasil é a mesma embaixadora que estava trabalhando no Paraguai quando deram um golpe de estado em Fernando Lugo.

Me perguntaram e eu não sei responder qual golpe, nem por que. Mas se o debate pela desmilitarização da polícia e pelo fim da PM parece que finalmente havia irrompido pelos portões da USP, esse seria um ótimo motivo. Nem sempre um golpe é um golpe de Estado. Em 1989 vivemos um golpe midiático de opinião pública, por exemplo. Pode ser que estejamos diante de outro. Essa é a impressão que, ligando esses pontos, eu tenho.

Já vieram me falar que supor golpe “desmobiliza” as pessoas, que ficam em casa com medo. De forma alguma. Um “golpe” não são exércitos adentrando a cidade. Não necessariamente. Um “golpe” pode estar baseado na ideia errônea de que devemos apoiar todo e qualquer tipo de indignação, apenas porque “o povo na rua é tão bonito!”.

Curiosamente, quando falei sobre a manifestação do dia 13 com meus alunos, no dia 14, vários deles me perguntaram se havia chances de golpes militares, tomadas de poder, novas ditaduras. A minha resposta foi apenas uma, que ainda sustento sobre este possível golpe de opinião pública/mídia: em toda e qualquer tentativa de golpe, o que faz com que ela seja ou não bem-sucedida é a resposta popular ao ataque. Em 1964, a resposta popular foi o apoio e passamos a viver numa ditadura. Nos anos 2000, a reposta do povo venezuelano à tentativa de golpe em Chávez foi a de rechaço, e a democracia foi restabelecida.

O ponto é que depende de nós. Depende de estarmos nas ruas apoiando as bandeiras certas (e há pessoas se mobilizando para divulgar em tempo real, de maneira eficaz, onde está o ato contra o aumento da passagem, porque já não podemos dizer que é apenas “um” movimento, como fez Haddad em sua entrevista coletiva). Depende de nos recusarmos a comprar toda e qualquer informação. Depende de levantarmos e irmos ver com nossos próprios olhos o que está acontecendo.


Se essa sequencia de fatos faz sentido pra você, por favor leia e repasse o papel. Faça uma cópia. Guarde. Compartilhe. Só peço o cuidado de compartilharem sempre integralmente. Qualquer pessoa mal-intencionada pode usar coisas que eu disse para outros fins. Não quero isso.

Quero apenas que vocês sigam minha linha de raciocínio e me digam: estamos mesmo diante da possibilidade iminente de um golpe?

Estou louca?

Espero sinceramente que sim. Mas acho que não.


Neste exato momento, acaba de ser publicado uma notícia no Portal G1, da Rede Globo, com a seguinte manchete: COMISSÃO REGULAMENTA ELEIÇÃO EM CASO DE VACÂNCIA DA PRESIDÊNCIA. Dado o histórico de apoio deste grupo ao Golpe de Estado de 1964, é ou não é para botarmos nossas barbas de molho???

3 Comentários

Arquivado em Política

Revogado o aumento da tarifa de ônibus, metrô e trem em São Paulo

ALCKMIN E HADDAD ANUNCIAM EM CONJUNTO A REVOGAÇÃO DO AUMENTO DA TARIFA DE ÔNIBUS, METRÔ E CPTM

Hoje, dia 19/06/2013, o governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB) e o prefeito da cidade, Fernando Haddad (PT)  anunciaram a revogação do aumento da tarifa de ônibus, metrô e trem na cidade de São Paulo, fazendo com que a tarifa voltasse aos R$ 3,00 que eram pagos antes do dia 02/06.

PasseLivreUma vitória de toda a população que saiu nas ruas pra protestar, mas em especial, do MOVIMENTO PASSE LIVRE. Gostaria de parabenizar por todos os ativistas do movimento pelos anos de batalha para construir essa luta e, na hora das grandes manifestações, por se manterem bravamente e saberem conduzir a pauta até que a reivindicação principal fosse atendida.

Pouco antes da notícia da revogação, a Zona Sul ainda se manifestava na rua contra os aumentos. No Largo de Piraporinha, o ato começou por volta das 7h da manhã e durou, de modo intermitente, o dia todo. Ainda agora as pessoas comemoram nas ruas a revogação dos aumentos.

Em entrevista coletiva, o governador Geraldo Alckmin falou que o retorno da tarifa para R$ 3,00 representa um “sacrifício” e acrescentou que  “as empresas não tem como arcar com essa diferença” e por isso o dinheiro virá dos cofres públicos para que a mudança seja possível. Já o prefeito afirmou que “investimentos serão comprometidos” por conta disso. Ambos decidiram onerar as contas públicas para proteger o lucro dos empresários do transporte público.

O Hum Historiador apóia a luta do Movimento Passe Livre para acabar de vez com a tarifa no transporte público, já que entende ser essa uma decisão política que pode, sim, muito bem ser tomada por nossos governantes para garantir o acesso das pessoas à cidade.

TODA FORÇA AO MOVIMENTO PASSE LIVRE!!!!

2 Comentários

Arquivado em Política

RODA VIVA entrevista ativistas do Movimento Passe Livre

Foto: Passe Livre

SE A TARIFA NÃO BAIXAR, A CIDADE VAI PARAR

No dia 17/06, mesmo dia da 5a. grande manifestação contra o aumento da tarifa do transporte público, o programa Roda-Viva da TV Cultura entrevistou dois ativistas do Movimento Passe Livre, Nina Cappello e Lucas Monteiro de Oliveira.

Para quem estava na manifestação e não teve a oportunidade de assistir, abaixo segue o vídeo com a íntegra do programa.

Nina afirma que o MPL tem um objetivo claro: a luta contra o aumento das passagens. Ela revela que Fernando Haddad convocou os militantes para participarem da reunião do Conselho da cidade, que acontece nesta terça-feira, 18. Mas Nina diz que ainda seria necessária uma reunião na quarta-feira, 19, com o prefeito. Durante os protestos desta segunda, Geraldo Alckmin anunciou à imprensa que estaria aberto a diálogos sobre tarifas. Enquanto não há de fato um acordo, a militante diz que as manifestações continuarão: “Se o governo não baixar a tarifa, vamos continuar nas ruas”.

Lucas também defende que o objetivo do MPL é a redução da passagem, mas diz que é a favor da taxa zero: “É uma decisão política o aumento, assim com é uma decisão política a existência da tarifa. Há cidades no Brasil, como outros países, em que existe a tarifa zero”.

Ele critica as empresas de ônibus, que têm lucro garantido, no entanto falham com a prestação de serviço. Segundo Lucas, o governo poderia renegociar esses valores, porém as autoridades não demostram interesse. De acordo com o militante, as empresas estariam lucrando cerca de R$ 15 mil por veículo.

2 Comentários

Arquivado em Política, TV