Rodas e a USP dos nossos piores pesadelos

Cartoon de Carlos Latuff sobre a autonomia universitária na USP

Estas férias de 2011/2012 entrarão na história da USP como aquelas em que os movimentos e organizações estudantis foram mais atacados por um único reitor depois do período da ditadura. Apenas para se ter uma ideia, no intervalo de apenas uma semana, vimos o reitor pedindo ação dos governos de São Paulo para reurbanizar áreas vizinhas ao Campus da USP, o que indica que uma higienização nas comunidades de São Remo e Carmine Lourenço, entre outras, está a caminho, conforme comentamos no post de 09/02/2012.

Em seguida, fomos pegos de surpresa ao sermos informados de que a partir do próximo dia 27 de fevereiro, quando as aulas recomeçam, os alunos, professores e funcionários receberão um bilhete único exclusivo para ser usado nas duas linhas de ônibus circular do local, que passarão a ser gerenciadas pela São Paulo Transporte (SPTrans), da Prefeitura.
Oras, se a Universidade e a
Reitoria querem, de fato, integrar a USP com as comunidades vizinhas, então porque cria este Bilhete Único da USP??? É óbvio que essa história de USP de portões abertos para a comunidade não passa de balela e que, para a reitoria da Universidade, lugar de pobre é fora da USP. Agora até mesmo quem não for estudante, se não tiver carro e quiser circular dentro do campus, terá que pagar. Pobre não tem vez!!! Visitante bom são os riquinhos de academia tipo Run & Fun e Runner que vão fazer seus treinos com vans personalizadas, personal trainners e isotônicos lá dentro do campus, isso sem falar naqueles ciclistas com suas roupas cheias de anúncios, como lembrou a amiga Juliana. Para estes, o magnífico Reitor até aumenta o policiamento para garantir a segurança deles. Portanto, a ação de criar um bilhete único da USP, visa claramente diminuir o número de pessoas não ligadas a Universidade utilizando os circulares. UM ABSURDO!!!!


E hoje, novamente, por volta das 5h da manhã o Reitor Rodas chamou a Polícia Militar para acabar com a ocupação da moradia Retomada. Na operação de hoje, doze estudantes foram presos, apesar de não terem resistido. A advolgada Ana Lúcia Marchiori disse que o mandado de reintegração de posse foi expedido no dia 17, sexta-feira. “Foi feito de propósito para que a ação fosse feita no fim de semana e evitar a repercussão”. Os alunos detidos, exceto uma adolescente de 17 anos que também havia sido detida, responderão por desobediência e danos ao patrimônio. “Só que não havia perito para atestar os danos ao patrimônio e não houve resistência”, defende a advogada. Ou seja, uma vez mais, nossos colegas serão criminalizados por fazerem uma manifestação legítima e política dentro do ambiente universitário.

Para recuperar o histórico desta ocupação, em março 2010, diante da triste situação da assistência e permanência estudantil na USP, quando mais de 100 calouros que tiveram o alojamento emergencial negado pela Coordenadoria de Assistência Social, estudantes retomaram um espaço no Conjunto residencial da USP (CRUSP) que havia sido tomada pela Divisão de Promoção Social da COSEAS e pelo banco Santander, inviabilizando a utilização do espaço como moradia estudantil. A então Moradia retomada foi uma forma de viabilizar moradia a estudantes que não conseguiam passar pelo “pente fino” da Reitoria para garantir o que deveria ser um direito: a moradia estudantil assegurada pela Universidade.

Abaixo, um vídeo gravado em 30/01/2012, portanto, 20 dias antes da ação de reintegração realizada pela PM, onde professores e membros do SINTUSP dão seu depoimento sobre o estado de conservação das moradias retomadas e declaram seu apoio total ao movimento.

E, em seguida, um vídeo realizado por testemunhas que registraram a invasão da tropa de choque no CRUSP ocorrida neste último domingo de carnaval, dia 19 de fevereiro de 2012.

No dia 20 de janeiro de 2012, a Rádio Brasil Atual recebeu em seus estúdios os estudantes Augusto Saraiva e Rosi Santos, que foram presos na operação policial, e a aluna Laura Lima, moradora de outro bloco do Crusp, que presenciou a ação da PM. Em entrevista à repórter Lúcia Rodrigues, eles descrevem o que ocorreu na reintegração da área. Escute a entrevista na Rádio Rede Brasil.

Durante a entrevista, uma DENÚNCIA muito grave foi realizada por uma das estudantes presas, que informou que O médicO que realizou o exame de corpo de delito no IML obrigou as estudantes presas a “baixarem suas calcinhas” e ficarem COMPLETAMENTE NUAS diante DELE.

Conforme destacado por uma das alunas durante a entrevista, uma das estudantes presas estava grávida e foi arrastada pela Polícia Militar da moradia ocupada até o ônibus da polícia que a levaria até o D.P. Um vídeo contendo estas imagens foi gravado por moradores do CRUSP. Percebam que os policiais tem o cuidado de colocar um cobertor sobre a barriga da grávida para esconder a vergonhosa maneira como a estavam tratando. A estudante retira o cobertor, mas um policial rapidamente recoloca o cobertor no local.

Como destacou um professor da História nas redes sociais, “Em pleno Carnaval…semanas antes de começarem as aulas…
Não são os alunos “radicais”, os funcionários “malucos” ou os professores “esquerdistas” que não querem a volta à “normalidade” na USP. É o Reitor. Na verdade, o “normal” na USP é isso mesmo.”

OUTROS TEXTOS E VÍDEOS RELACIONADOS

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Política, Universidade

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s